Violência matou 173 na Costa do Marfim, diz ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) informou que há provas substanciais sobre 173 mortes na semana passada na Costa do Marfim, que enfrenta ondas de violência após contestadas eleições, informou hoje a vice-chefe para direitos humanos da ONU, Kyung-wha Kang. Há ainda registros sobre 90 casos de tortura ou maus-tratos.

AE, Agência Estado

23 de dezembro de 2010 | 12h37

"Entre 16 e 21 de dezembro, os escritórios de direitos humanos têm alegações substanciais de 173 homicídios, 90 casos de tortura ou maus-tratos, 471 prisões e 24 casos de desaparições forçadas ou involuntárias", disse Kang durante uma sessão especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Segundo ela, foi impossível investigar todas as alegações de violações aos direitos humanos, incluindo a existência de valas comuns, por causa das restrições enfrentadas pelo pessoal da ONU.

O país do oeste africano enfrenta uma crise pós-eleitoral. O oposicionista Alassane Ouattara foi inicialmente declarado vencedor, mas o atual presidente, Laurent Gbagbo, recusa-se a deixar o cargo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Costa do MarfimviolênciamortesONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.