Violência nas eleições deixa dezenas de mortos na Nigéria

A Nigéria vive clima de tensão neste domingo, 15, quando os eleitores esperam pelos resultados das eleições locais que foram marcadas por fraudes e violência. Pelo menos 50 pessoas morreram nos conflitos relacionados a intimidação e fraudes na votação do sábado, disseram jornais locais.Porém os números oficiais de mortos não batem com os divulgados pela mídia. Segundo a polícia nacional, 21 pessoas morreram durante os confrontos.Entre os problemas houve falta de material, relatórios falsos, intimidação, roubos de urnas por grupos armados, confusão sobre registros eleitorais e eleitores abaixo da idade mínima, disseram testemunhas.O presidente do Senado, Ken Nnamani, membro do Partido Democrático Popular (PDP), que está no governo, disse que quase não houve votação em sua região natal, Enugu, no sudeste da Nigéria, porque as cédulas não chegaram ou foram enviadas com atraso."O exercício foi um fracasso abismal. Se houver um resultado em Enugu será manipulação. Estou preocupado com a legitimidade do governo que será eleito", disse ele à Reuters.A Comissão Nacional Eleitoral Independente disse que ficou satisfeita, de modo geral, com a eleição do sábado. Philip Umeadi, porta-voz da comissão, disse que os primeiros resultados serão anunciados neste domingo.O PDP controla atualmente 28 dos 36 Estados. As eleições estaduais são um teste para sua força antes da votação presidencial, no próximo sábado, no país mais populoso da África e principal produtor de petróleo do continente.Há cerca de oito Estados onde o domínio do PDP é vulnerável e diplomatas temem mais violência nestes lugares quando os resultados forem anunciados.No Estado do Delta, a região do petróleo da Nigéria, escritórios da comissão eleitoral foram incendiados e não houve eleição por falta de material.A Nigéria voltou a ser democrática em 1999, depois de três décadas de governo militar. Estas eleições deveriam representar a primeira entrega de poder entre presidentes eleitos desde a independência, em 1960.Um membro do PDP disse esperar que o partido ganhe a eleição presidencial se conseguir manter o controle de pelo menos 21 Estados.Texto atualizado às 16h10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.