Violência no Iraque é ´sem precedentes´, diz ONU

A violência no Iraque nunca foi tão grande quanto agora, concluiu nesta quarta-feira, Louise Arbour, comissária de Direitos Humanos da ONU. De acordo com ela, apesar dos esforços do governo para controlar a situação no país, a violência atingiu níveis "sem precedentes". Arbour afirmou também que os níveis de desemprego e pobreza, além do acesso a serviços básicos também têm piorado bastante nos últimos anos. "A ineficácia das leis locais em relação à proteção da população iraquiana é clara", disse a alta comissária. Dia violento O número de mortos nesta quarta-feira no Iraque já chegou a 25, de acordo com fontes policiais. Um carro-bomba explodiu matando um soldado norte-americano e ferindo outro, no nordeste do país. Além disso, cinco policiais iraquianos morreram nesta quarta-feira, vítimas de um atentado suicida contra uma delegacia na província de Salahedin, 175 quilômetros ao norte de Bagdá. Dois outros agentes foram mortos, em um ataque a um posto de controle, ao sul da cidade de Samarra, 125 quilômetros ao norte de Bagdá. Somente até as 10 horas desta quarta-feira, ao todo, 13 insurgentes - incluindo oito supostos membros da Al-Qaeda -, sete policiais e cinco civis foram mortos. Entre estes, estavam duas iraquianas, que foram atingidas em um ataque aéreo das forças de coalizão norte-americanas. O comando da operação afirmou que o ataque foi motivado por denúncias de que, no norte da capital iraquiana, estava abrigado um grupo conhecido de insurgentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.