Violência no Iraque matou 1.375 pessoas em janeiro

A missão da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Iraque disse, neste domingo, que a violência no país devido à guerra contra o Estado islâmico matou pelo menos 1.375 pessoas em janeiro.

Estadão Conteúdo

01 de fevereiro de 2015 | 11h21

A Missão de Assistência da ONU, conhecida como Unami, estima que o número de civis mortos chegou a 790, enquanto o restante das vítimas fatais seria composto por membros das forças de segurança. A Missão afirmou que pelo menos 1.469 civis e 771 membros das forças de segurança foram feridos.

Segundo a Unami, a cidade mais afetada foi a capital, Bagdá, com 256 civis mortos e 758 feridos. De acordo com os números da Missão, o ano passado foi o mais mortal no Iraque desde 2006-2007, com um total de 12.282 pessoas mortas e 23.126 feridos.

No entanto, a ONU disse que os números "precisam ser considerados como o mínimo absoluto", pelo fato de não incluírem os territórios detidos pelo grupo Estado Islâmico, que correspondem a cerca de um terço do Iraque, e as pessoas que perderam suas vidas devido a "efeitos secundários da violência...(como) falta de água, alimentos, medicamentos e cuidados de saúde."

O Grupo extremista Estado Islâmico e outros insurgentes sunitas tomaram o controle de vastas áreas no oeste e norte do Iraque. A ofensiva dos militantes tem colocado o país em suas piores crises desde a retirada das tropas norte-americanas. (Clarissa Mangueira - clarissa.mangueira@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueViolênciaONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.