Violência no Natal deixa ao menos 38 mortos na Nigéria

Diversas explosões na região central da Nigéria mataram 32 pessoas, enquanto outras seis morreram em ataques perpetrados por membros de uma seita muçulmana extremista contra duas igrejas no norte do país, informaram autoridades ontem.

AE, Agência Estado

26 de dezembro de 2010 | 11h22

O porta-voz da polícia Mohamed Lerama disse que 32 pessoas morreram e pelo menos 74 ficaram feridas por quatro bombas que explodiram na noite de sexta-feira, em diferentes partes de Jos, uma cidade do centro do país. O chefe da polícia estadual Mohamed Abubakar informou que os ataques contra as igrejas ocorreram na véspera de Natal, perpetrados pela seita Boko Haram em Maiduguri, capital do Estado de Borno.

Maiduguri fica 520 quilômetros a nordeste de Jos. Os ataques nas duas cidades não estão vinculados, mas o grupo Boko Haram tinha seu centro de operações na cidade de Bauchi, a 120 quilômetros de Jos, antes de se mudar para Maiduguri.

A violência religiosa matou pelo menos 500 pessoas neste ano em Jos e em povoados vizinhos. A Nigéria, um país de 150 milhões de habitantes, está dividida quase em igual proporção entre muçulmanos, no norte, e cristãos, no sul.

As explosões ocorreram no centro do país, onde dezenas de grupos étnicos lutam pelo controle de terras férteis. A violência na região tem mais a ver com política, economia e direito à terra do que com religião. O governo estadual de Plateau, cuja capital é Jos, é controlado por políticos cristãos que impedem o reconhecimento legal dos muçulmanos, impossibilitando que muitos deles tenham empregos no governo. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciamortesNigéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.