Violência política deixa 2 mortos no Haiti

Partidários do governo e da oposição trocam tiros e ex-premiê diz que haverá novos confrontos antes das eleições

REUTERS, AFP e AP, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2010 | 00h00

PORTO PRÍNCIPE

Choques entre grupos políticos rivais deixaram dois mortos na noite de segunda-feira em Beaumont, sudoeste do Haiti, aumentando o clima de violência e instabilidade a cinco dias das eleições presidenciais e parlamentares que definirão o destino político da nação mais pobre das Américas.

As vítimas eram ligadas aos candidatos Jude Célestin, do Partido Inité - apoiado pelo atual presidente haitiano, René Préval -, e Charles-Henri Baker, do rival Respè. Ao todo, 19 candidatos concorrem à presidência nas eleições de domingo.

Pradel Casamajor, da Polícia Nacional Haitiana (PNH), disse apenas que duas pessoas tinham sido assassinadas, sem dar detalhes. "Dois grupos que acompanhavam os candidatos em campanha enfrentaram-se com pedradas, garrafadas e armas de fogo", disse à agência de notícias France Presse um jornalista haitiano que acompanhou os ataques.

Na mesma localidade, Célestin foi alvo de disparos, segundo um membro do seu partido. "Ele está são e salvo, não foi pego pelo ataque lançado por seus adversários", disse Jean Laveaud Frédérique, candidato ao Senado pelo partido de Célestin.

O ex-premiê Jacques Edouard Alexis fez um alerta sobre o risco de ocorrência de novos confrontos antes do primeiro turno das eleições.

Sem doações. O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha) expressou preocupação "com a lenta resposta ao apelo por US$ 164 milhões feito há nove dias para impedir o surto de cólera no país". A doença já deixou 1.415 mortos e quase 20 mil infectados em pouco mais de um mês. "Embora estejamos muito gratos pelas contribuições, até agora recebemos menos de 10% do que necessitamos", disse o coordenador da Ocha no Haiti, Nigel Fisher. Segundo ele, 80% dos casos poderiam ser resolvidos com uma solução simples: o soro caseiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.