Violência política faz seis mortos nas Filipinas

Os corpos de seis trabalhadores foramencontrados com marcas de bala em uma estrada da região metropolitana de Manila, capital das Filipinas, pela polícia, que relacionao assassinato à violência política que já fez mais de 700 vítimas desde 2001. A imprensa local classifica o fato como uma "execução sumária" ocorrida no domingo junto a uma estrada do município de Caloocan. Testemunhas afirmam que as vítimas, todas funcionárias de umaempresa da província de Bulacan, vizinha a Manila, viajavam em uma van junto aos agressores, que as obrigaram a saltar do veículo paraMatá-las. Os corpos foram descobertos por uma pessoa que passava pelo local, onde também havia fragmentos de armas, com as quais o crime supostamente foi cometido. Segundo a organização humanitária filipina Karapatan, 752 pessoas de partidos e grupos de esquerda foram assassinadas e 184desapareceram nas Filipinas durante a Presidência de Gloria Macapagal Arroyo, que começou em 2001 A presidente filipina criou em agosto uma comissão para investigar essas mortes. As Forças Armadas atribuem os assassinatos à rebelião comunista, mas os familiares das vítimase os grupos de esquerda acusam o Exército de muitos deles.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.