Violência provoca deslocamento de milhares de afegãos

Rebeldes afegãos mataram três motoristas de caminhão que transportavam alimentos para o Exército dos Estados Unidos. Em meio ao recrudescimento da violência no sul do país, cerca de 3 mil pessoas abandonaram suas casas, informaram autoridades locais nesta quinta-feira.Os assassinatos ocorreram na quarta-feira, quando os três caminhoneiros transportavam contêineres de comida da principal base dos EUA no Afeganistão, situada em Bagram, ao norte de Cabul, para outra base militar na província de Paktika, disse Yousouf Stanezai, porta-voz do Ministério de Interior do Afeganistão.Os ataques contra caminhões que transportam combustível, equipamentos e suprimentos para as forças estrangeiras presentes no Afeganistão são relativamente comuns, mas os rebeldes aos quais atribui-se os ataques costumam libertar os motoristas sem feri-los.Êxodo Depois de uma semana de violência durante a qual centenas de pessoas morreram em episódios sangrentos no Afeganistão, mais de 3 mil moradores da província de Kandahar já fugiram de suas casas, revelou Nassim Karim, um assessor da Organização Internacional de Migração (OIM), subordinada à Organização das Nações Unidas (ONU).A maior parte das pessoas deslocadas vivia em Panjwayi, o distrito de Kandahar mais afetado pela violência, disse Karim. A maioria dos afetados tem fugido para a casa de familiares na cidade de Kandahar, capital da província de mesmo nome.A violência no Afeganistão já resultou na morte de pelo menos 339 pessoas - entre civis, militares afegãos e estrangeiros e supostos rebeldes - desde a última quarta-feira, segundo números compilados por autoridades americanas e afegãs.Durante a primavera (boreal), a violência tende a escalar no Afeganistão, pois a neve derrete e libera a passagem pelas montanhas, onde acredita-se que os militantes rebeldes afegãos estejam escondidos.Em comparação com os anos anteriores, porém, em 2006 houve um aumento mais acentuado que o comum tanto da ação dos rebeldes afegãos quanto das forças de segurança locais e dos exércitos estrangeiros presentes no país.Abdul Qabar Noorzai, diretor da sucursal da Comissão Independente de Direitos Humanos do Afeganistão em Kandahar, disse que seu gabinete tem recebido notícias alarmantes de todo o sul do Afeganistão com relação aos efeitos da violência sobre a população civil. "As pessoas perderam suas casas, seus pomares, seus bens, suas terras de cultivo e agora encontram em situação muito precária", analisou Noorzai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.