Violência sectária mata mais de cem xiitas no Iraque

Ataques suicidas mataram mais de cem pessoas num bairro xiita de Bagdá e numa cidade também de maioria xiita ao norte da capital, em mais uma onda de violência sectária nesta quinta-feira, 29. Cerca de 60 pessoas morreram no ataque a um mercado no bairro de Shaab, realizado por um homem-bomba. Em Al-Khalis, 80 quilômetros ao norte de Bagdá, três carros-bomba com suicidas dentro explodiram com minutos de intervalo, matando cerca de 50 pessoas, segundo fontes policiais. Os arredores de Bagdá vêm sofrendo com uma nova onda de violência com motivações sectaristas, que contrapõe a maioria xiita à minoria sunita. Na última terça-feira, 27, dois caminhões-bomba haviam matado 85 pessoas numa área xiita de Tal Afar, no norte do Iraque. Nas horas que se seguiram à explosão, xiitas armados, entre eles policiais, mataram 70 sunitas em retaliação. Um dos carros-bomba que explodiram em Khalis foi detonado numa área comercial. Outro explodiu num posto de fiscalização policial, e o terceiro teve como alvo os carros de polícia que iam para o local dos ataques. "Foi uma cena de terror", disse um policial que não quis se identificar. Segundo ele, até 48 pessoas morreram nas explosões. Uma segunda fonte policial disse que mais de 50 pessoas morreram. Um hospital local disse ter recebido 40 corpos. ´Proteção´ americana O novo embaixador dos Estados Unidos no Iraque, Ryan Crocker, afirmou na cerimônia em que tomou posse que "terroristas, insurgentes e milícias continuam a ameaçar a segurança em Bagdá e em todo o país", e disse que o Iraque é o "maior desafio para a política externa americana". O Senado dos EUA confrontou o presidente George W. Bush e aprovou uma medida de financiamento da guerra que estabelece o prazo de um ano para a retirada de todos os soldados de combate americanos do Iraque. Bush, que já prometeu vetar a medida, está enviando mais 30 mil soldados para o Iraque, principalmente para dar apoio à operação de segurança em Bagdá, epicentro da violência sectária. Embora o número de mortes na capital tenha caído, a onda de violência se espalhou para outros locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.