Violência sectária mata quase 100 em Bagdá

A violência sectária deixou quase cem mortos nas últimas 24 horas em Bagdá. A polícia iraquiana afirma ter encontrado os corpos de 65 homens que foram torturados e assassinados antes de serem descartados nos arredores de Bagdá. Nas últimas horas, dois carros-bomba e dois ataques com morteiros mataram ao menos 28 pessoas, ferindo outras dezenas.Dois soldados americanos também morreram, um na segunda-feira, em confronto na província de Anbar, e o outro na terça-feira, em decorrência da explosão de uma bomba em estrada ao sul de Bagdá, segundo o comando militar americano. Todos os corpos estavam amarrados, com sinais de tortura e marcas de tiros, segundo Thayer Mahmoud, primeiro tenente da polícia. Tais assassinatos são, geralmente, o trabalho de esquadrões da morte, operados por milícias árabes tanto sunitas quanto xiitas, que realizam seqüestros e torturam, com choques elétricos ou espancamento, antes de matar os seqüestrados.A polícia disse que 60 corpos foram encontrados durante a noite, espalhados ao redor de Bagdá, sendo que 45 corpos estavam em vizinhanças predominantemente sunitas. Outros 15 foram encontrados em zonas predominantemente xiitas do oeste de Bagdá. Cinco corpos foram descobertos boiando no rio Tigre em Suwayrah, a 40 quilômetros ao sul de Bagdá. Na capital, um carro-bomba matou ao menos 19 pessoas e feriu mais de 62 após explodir em um quarteirão usado principalmente como estacionamento, próximo ao principal escritório da polícia de trânsito de Bagdá. Ao menos dois mortos eram funcionários da polícia de trânsito. Na região oeste de Bagdá, um carro estacionado explodiu quando uma patrulha da polícia passava ao lado, matando oito pessoas e ferindo 17, segundo policiais. Ao menos três mortos e 7 feridos são policiais. Dois morteiros lançados em direção à delegacia de polícia al-Rashad, no sul de Bagdá, mataram um policial e feriram outros dois, segundo fontes policiais. Outros três morteiros atingiram o centro de Bagdá, ferindo quatro civis. Os ataques aconteceram no dia seguinte a outros ataques que causaram a morte da ao menos 24 pessoas no Iraque. Bagdá tem sido o alvo de maior parte da violência. De acordo com o ministro da Saúde do Iraque, uma média de 51 pessoas morrem violentamente na capital. Enquanto isso, legisladores tentam estabelecer uma resolução demandando um cronograma para a retirada das tropas americanas do Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.