Violência sem fim num Iraque "à beira de uma guerra civil"

Um ataque com foguetes contra um bairro xiita em Bagdá matou, nesta terça-feira, 10 pessoas e feriu mais 19, informou a polícia. Cinco foguetes caíram em casas residenciais do bairro de Abu Tesher, habitado predominantemente por sunitas.Pouco depois, um morteiro atingiu uma casa no bairro xiita de Abu Sayfeen, provocando a morte de uma pessoa e ferindo três meninos e o pai das crianças, disse um tenente da polícia bagdali.Cerca de 20 minutos depois desse ataque, outro salvo de morteiro atingiu um posto de polícia na região central de Bagdá. Um policial morreu e cinco pessoas ficaram feridas, sendo três civis e dois policiais, disse um capitão de polícia.Em Zaafraniyah, outro bairro xiita de Bagdá, um morteiro lançado contra a região feriu gravemente dois civis, prosseguiu a polícia.Também em Bagdá, um carro-bomba explodiu nas proximidades de um posto de gasolina, matando dois civis e ferindo outros 25, enquanto a polícia encontrava os corpos vendados de três pessoas no leste da cidade.Em Mossul, no norte do Iraque, ataque suicida com carro-bomba provocou a morte de um soldado americano e feriu dois, informou o comando militar dos Estados Unidos no país.A violência ocorre um dia depois de o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, ter advertido em Nova York que o Iraque corre "grave risco" de afundar numa guerra civil, e exortou o governo a se empenhar mais na busca da unidade nacional."Se os padrões atuais de revolta e violência persistirem, existe o grave risco de que o Estado do Iraque se quebrará, possivelmente em meio de uma guerra civil em larga escala", disse Annan num encontro de ministros do Exterior na ONU. O Comando Central dos EUA anunciou ainda nesta terça-feira a morte de três soldados americanos na violência em Bagdá.Na sulista Basra, uma barragem de foguetes e disparos de morteiro atingiram um complexo abrigando os consulados do Irã, Grã-Bretanha e Estados Unidos, assim como bases militares britânicas. Não houve feridos e os danos foram menores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.