Violência volta às ruas da capital do Timor Leste

As ruas de Díli, capital do Timor Leste,voltaram a ser palco de atos violentos enquanto os grupos rebeldes esperam a possível renúncia do primeiro-ministro, Mari Alkatiri, a pedido do presidente Xanana Gusmão. Pelo menos seis prédios foram destruídos na noite de quarta-feira por incêndios que, segundo as autoridades, foram criminosos, informou arádio australiana ABC. Alkatiri vai se reunir nesta quinta-feira com membros de seu partido, o Fretilin, para discutir os próximos passos. Há dois dias, Gusmão pediu formalmente a ele que renunciasse ao cargo, por causa das acusações de ter organizado um grupo armado para eliminar seus rivais políticos. O ex-ministro do Interior Rogério Lobato compareceu ao Tribunal de Distrito onde deverá ser acusado de fornecer armas a cerca de 30militantes para matar seus inimigos. Entre as vítimas em potencial estariam os cerca de 600 soldados que foram expulsos do Exércitotimorense, o que deflagrou a atual crise. O promotor-geral executou a ordem emitida esta semana para que Lobato comparecesse à Justiça. Mas afirmou que não pode dar a mesma ordem ao primeiro-ministro, já que as acusações de Vicente da Conceição, líder do grupo supostamente armado a pedido de Alkatiri, eram insuficientes. A onda de violência causou a morte de cerca de 30 pessoas, o desalojamento de 100 mil e exigiu a presença de tropas internacionais no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.