Violentos choques em funeral de menino morto na Jordânia

Mais de 15.000 refugiados palestinos participaram hoje do funeral de um menino de 10 anos morto por gás lacrimogêneo lançado pela polícia durante uma das manifestações diárias pró-palestinos na Jordânia. Os participantes do cortejo fúnebre tiveram confrontos com a polícia e o exército que, segundo testemunhas, exerciam pela força a vigilância do campo de refugiados de Bakaa, a 25 km de Amã.Os agentes utilizaram gás lacrimogêneo e jatos d´água contra os manifestantes, disseram as testemunhas. Hamze Shabani morreu no domingo, por um ferimento na cabeça que seu pai diz ter sido causado por um tubo de gás lacrimogêneo que a polícia explodiu durante um dos protestos da semana passada.Hoje, um informe do governo divulgado sobre a autópsia do corpo da pequena vítima sustenta que a fratura no crânio foi provocada por uma queda, do alto, de um objeto contundente pesado. Um residente do campo de Bakaa disse que o pai da vítima se negou a assinar uma cópia do informe médico quando foi retirar o corpo do filho.A família do menino quer recorrer, por de vias legais, contra o governo para apurar a verdade. Durante a procissão fúnebre de hoje, Hamzeh foi saudado como um mártir, envolto na bandeira palestina e acompanhado por solgans de apoio à milícia libanesa Hezbollah e ao grupo palestino Hamas. "Hamzeh, quem te matou foi o silêncio dos líderes árabes" era um dos gritos ouvidos durante o cortejo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.