Virginia e Montana mantêm incógnita sobre o Senado

Os estados de Virgínia e Montana, onde o resultado da eleição para senador ainda é desconhecido, mantêm a incógnita sobre quem terá a liderança no Senado dos Estados Unidos na próxima legislatura, se republicanas ou democratas. Neste momento, cada partido tem 49 cadeiras, mas precisam de 51 para ter o controle da Casa. O atraso de Montana se deve a problemas nas máquinas de apuração e na manhã desta quarta-feira ainda não se sabia quem irá para o Senado: o democrata Jon Tester ou o republicano Conrad Burns. Na Virgínia, onde a disputa entre o democrata Jim Webb e o republicano George Allen foi a mais acirrada das eleições, será preciso esperar até que os votos por correio sejam contabilizados. Nesta quarta-feira, emissoras de rádio locais indicavam a possibilidade de que o vencedor nas urnas seja conhecido apenas em dezembro. Embora esta situação possa parecer exagerada, o certo é que, por enquanto, os dois candidatos estão decididos a esperar até a apuração do último voto antes de se considerarem derrotados. Os democratas lideram nas duas disputas com uma margem estreita. A vitória democrata, amplamente antecipada nas pesquisas, foi Consagradora. Às 9h de Brasília, os democratas tinham conseguido 228 cadeiras na Câmara de Representantes, mais que suficiente para tomar o controle da Casa e lideravam as disputas acirradas em pelo menos quatro circunscrições, o que dá ao partido um potencial de 232 Cadeiras. Já os republicanos, que tinham 229 cadeiras, foram rebaixados para 193 e lideravam a apuração em dez disputas, o que no melhor dos casos lhes daria 203 cadeiras. Nancy Pelosi, que será a próxima presidente da Câmara de Representantes, destacou esta madrugada que as eleições desta quarta-feira são "uma grande vitória para o povo americano, que deu um novo rumo aos Democratas". Os governos estaduais que estavam sendo disputados tiveram o mesmo rumo: os democratas ganharam em 20 dos 36 estados e, pela primeira vez em 12 anos, o partido tem a maioria dos governadores do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.