Virginia Tech faz minuto de silêncio para vítimas de massacre

O silêncio tomou o campus da universidade Virginia Tech ao meio-dia desta sexta-feira, 20, e sinos puderam ser ouvidos em igrejas de todos os Estados Unidos, num dia marcado pelo luto pelas 32 vítimas do mais sangrento massacre em uma instituição de ensino na história do país.No campus, o choque da segunda-feira, 16, deu lugar a uma profunda tristeza. Centenas de estudantes e moradores da região, muitos usando roupas nas cores da universidade (laranja e o marrom), participaram do minuto de silêncio em um memorial em frente ao edifício Noris Hall, um dos prédios atacados pelo sul-coreano Cho Seung-hui. Junto com os buquês e velas, havia um cartaz amaraelo, coberto por impressões digitais laranja e marrom, com as palavras "Nunca esqueceremos".As pessoas se juntaram em frente a pedras, que funcionaram como lápides simplórias, cada uma adornada com um ramalhete de tulipas e a bandeira dos EUA. Haviam 33 pedras, uma para cada vítima e a de Cho. "A família dele está sofrendo tanto quanto as outras", disse Elizabeth Lineberry, de Hillsville, que começará a estudar na universidade, veio à Blacksburg para à homenagem.O governador da Virginia declarou a sexta-feira um dia de luto em todo Estado, e pais das vítimas pediram que todos se focassem nas pessoas jovens assassinadas no ataque, e não no assassino. "Nós queremos que o mundo saiba e celebre a vida de nossos filhos, e acreditamos que esse é o elemento central que traz esperança no meio dessa tragédia", disse Peter Read, que perdeu sua filha de 19 anos, Mary Karen Read. "Essas crianças era o melhor que a geração deles tinha para oferecer".Igrejas ao redor dos EUA, da Califórnia à Catedral Nacional de Washington, ofereceram vigília e orações.O presidente americano, George W. Bush, usou uma gravata laranja e marrom em demonstração de apoio. A Casa Branca também informou que ele pediu à autoridades importantes da Justiça, Saúde, Serviços Humanos e Educação para que viajassem pelo país, falando com educadores, peritos em saúde mental e outros, e compilar tudo em um relatório para prevenir tragédias similares.InvestigaçõesAssim que as famílias começaram a enterrar as vítimas, investigadores começaram a trabalhar e procurar evidências no passado de Cho. Entraram com um mandado de buscar por um laptop e um celular usados por Emily Hilscher, vítima assassinada no dormitório."O computador pode ser um meio de o acusado ter se comunicado com a vítima", diz o mandado, mas oferece uma base para a suspeita de que Cho entrou em contato com ela.Investigadores estão "fazendo um grande progresso" para determinar como e porque os tiroteios aconteceram, disse a porta-voz da Polícia Estadual da Virginia, Corinne Geller. Ela disse que espera ter algo para divulgar na próxima semana. O governador também instituiu um painel independente que inclui o ex-secretário de Segurança Nacional Tom Ridge, que disse que o grupo vai vasculhar o tempo de lapso entre os dois ataques, como os estudantes foram notificados do perigo e sobre a necessidade de comunicar o perigo à integridade de todos, entre outras coisas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.