Visa, Mastercard e Paypal bloqueiam doações ao site

O cerco financeiro ao WikiLeaks estreitou-se ontem com a decisão das empresas de cartões de crédito Visa e Mastercard de não aceitar doações para a organização. Nos últimos dias, o banco suíço PostFinance e o Paypal, serviço de pagamentos e transferências de dinheiro pela internet, bloquearam suas operações com o WikiLeaks. As iniciativas têm o objetivo de sufocar financeiramente o site fundado por Julian Assange, cuja sobrevivência depende de doações.

Denise Chrispim Marin CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2010 | 00h00

O cerco tem sido duramente criticado por algumas das principais organizações jornalísticas.

A entidade Repórteres sem Fronteiras condenou os bloqueios, ataques de hackers e pressões políticas ao WikiLeaks e qualificou essas ações como uma "tentativa de censura à escala internacional de um site, cuja vocação fundamental é a transparência". Com o cuidado de não se referir particularmente a esse caso, Larry Kilman, da World Association of Newspaper and News Publishers (WAN-IFRA), insistiu que os governos não devem ameaçar os meios de comunicação nem suas fontes.

Mais incisiva, a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, na sigla em espanhol) exortou os EUA a pararem com os ataques e as ameaças contra o WikiLeaks e Assange. Em nota, Gonzalo Marroquín, presidente da SIP, e Robert Rivald, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e de Informação da entidade, expressaram o temor de que o episódio motive a aprovação de leis "adversas" nos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.