Visão do mundo sobre EUA pode ser mudada

A eleição do presidente dos EUA, Barack Obama, representou uma poderosa mensagem de abertura da sociedade americana. A eloquência do novo morador da Casa Branca poderá ser uma grande contribuição para melhorar a visão que o mundo tem dos EUA. As viagens que o presidente Obama realizou nos primeiros cem dias de seu mandato aumentaram ainda mais a sua popularidade no exterior. Agora, ele deve usar essa popularidade e eloquência para tratar de algumas questões consideradas fundamentais na área de política externa. Em primeiro lugar, Obama deve usá-las para convencer nossos aliados europeus de que a busca do Irã por armas nucleares e seu apoio ao terrorismo são políticas realmente perigosas. O presidente americano também deveria usar sua eloquência para explicar ao povo do Paquistão que as políticas dos EUA naquela parte do mundo têm como objetivo defender interesses comuns, não apenas os nossos. Além disso, Obama também deveria assegurar ao povo da Índia que não nos esquecemos da importância de seu país, que continua sendo a maior democracia do mundo. O novo presidente americano poderia defender energicamente os direitos das mulheres e a causa da liberdade. Se explicasse claramente ao povo americano a necessidade de sustentar o ônus dos compromissos de longo prazo para proteger nossos interesses fundamentais, Obama aumentaria ainda mais a confiança daqueles de cuja ajuda precisamos, mas que talvez duvidem do persistente poder dos EUA. O mundo todo poderia se beneficiar se o presidente Obama usasse seus notáveis talentos não somente para pedir desculpas pelos erros cometidos pelos EUA no passado, mas também para inspirar as pessoas de boa vontade para a difícil tarefa de criar um mundo próspero, pacífico e mais tolerante. *Paul Wolfowitz foi presidente do Banco Mundial, vice-secretário de Defesa do governo de George W. Bush e, atualmente, é pesquisador do American Enterprise Institute

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.