Visita antecipa disputa eleitoral na Alemanha

As eleições para o Parlamento alemão são apenas em setembro, mas, segundo especialistas, a campanha começou de verdade esta semana com a visita do presidente americano, Barack Obama, à capital alemã. De acordo com eles, a chanceler, Angela Merkel, saiu na frente rumo ao terceiro mandato no comando da maior economia da Europa.

BERLIM, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2013 | 02h03

A antipatia em relação à chanceler é alta no sul do continente - um estudo do centro de pesquisas Pew, feito no mês passado, indicou que 88% dos gregos acreditam que ela não fez um bom trabalho no controle da crise financeira. O mesmo levantamento, porém, mostrou que, na Alemanha, a chanceler ainda é extremamente popular: 74% dos alemães aprovam Merkel e seu partido, a União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão), é o grande favorito para a votação de setembro.

"Merkel sabe que as eleições são decididas em casa, resolvendo problemas econômicos e melhorando a educação, mas esse encontro com Obama foi fundamental para reforçar a imagem dela como a principal líder na Europa", explicou o cientista político Gero Neugebauer, da Freie Universität, de Berlim.

O fato de Merkel ter permitido o discurso de Obama diante do Portão de Brandenburgo, símbolo da Guerra Fria, também seria um indicativo de que ela sabe a força que esse tipo de imagem pode ter durante uma campanha eleitoral - em 2008, ela não autorizou que o então candidato discursasse ali. / R. M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.