Visita de relator expulso foi 'provocação', diz Zimbábue

O ministro de Relações Exteriores do Zimbábue, Simbarashe Mumbengegwi, disse que a visita ao país de um relator da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre tortura foi "uma provocação da mais alta ordem". Mumbengegwi fez o duro ataque a Manfred Nowak por ele visitar o Zimbábue nesta semana, após solicitar que ele adiasse a viagem. O investigador passou a noite no aeroporto de Harare e foi então enviado ontem de volta à África do Sul. O funcionário da ONU qualificou seu tratamento como "um incidente diplomático sério".

AE-AP, Agencia Estado

30 de outubro de 2009 | 13h06

Mumbengegwi disse que a atitude de Nowak não tinha precedentes na história do protocolo da ONU, pois ele havia imposto sua presença em um país. Nowak planejava investigar supostos ataques contra partidários do primeiro-ministro Morgan Tsvangirai, cometidos por militantes do partido do presidente Robert Mugabe. Os dois rivais políticos formam um governo de coalizão, estabelecido para encerrar uma crise política. Tsvangirai assumiu em fevereiro deste ano, enquanto Mugabe se mantém no poder desde 1980.

Tudo o que sabemos sobre:
ZimbábueONUrelatorprovocação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.