Vítima falsa de 11 de setembro é condenada à prisão

Um cidadão de Hong Kong que tentou forjar sua morte nos ataques de 11 de setembro, em Nova York, foi condenado a quatro anos de prisão nos Estados Unidos. Steven Chin Leung, de 28 anos, fingiu ser seu próprio irmão - que ele de fato não tem - e simulou a própria morte para conseguir um certificado de óbito, segundo informação do site da BBC Brasil.Imigrante chinês, ele tentava anular um processo anterior por falsificação de passaporte. Segundo autoridades, com o certificado Leung conseguiria a anulação do processo e passaria a viver com a identidade forjada. Para obter o atestado de óbito, Leung assumiu a identidade de um suposto irmão e mostrou documentos falsos. Ele falsificou um e-mail para tentar mostrar que a suposta vítima estaria trabalhando num dos prédios do World Trade Center na hora dos ataques para a corretora Cantor Fitzgerald, que perdeu mais de 650 funcionários no ataque. A investigação descobriu, porém, que ele estava mentido. Leung acabou confessando o crime em junho e disse que estava "muito arrependido".EgoísmoO juiz Denny Chin, que proferiu a sentença contra Leung, condenou sue "egoísmo" e afirmou que sua conduta havia sido "desprezível". Sua sentença foi 18 meses maior do que normalmente é indicado para casos de fraude semelhantes. O pedido para uma punição maior se deu por causa das circunstâncias em que ocorreu a fraude.O promotor que representou o caso contra Leung afirmou que ele deu muito trabalho às autoridades de Nova York em um momento de crise. Ele disse que o fraudador merecia uma punição dura por seus "extraordinários esforços para se aproveitar de uma tragédia nacional". Mais de 2,8 mil pessoas morreram nos ataques do dia 11 de setembro de 2001, quando as duas torres do World Trade Center de Nova York desabaram. No ataque, parte do Pentágono também foi atingido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.