AFP PHOTO / Robyn Beck
AFP PHOTO / Robyn Beck

Vítimas de Las Vegas não conseguem pagar conta da internação

Custo de internação médio para um baleado nos Estados Unidos é de U$ 96 mil e muitos não têm plano de saúde

O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2017 | 16h00

LAS VEGAS, EUA - O bombeiro Kurt Fowler, de 41 anos, e sua mulher, Trina, celebravam seu aniversário de 18 anos de casados em Las Vegas quando foram vítimas do ataque que matou 59 pessoas no começo do mês. Ele foi baleado no tornozelo e não conseguia andar. Depois de passar por uma cirurgia e duas semanas no hospital, ele teme não poder arcar com o tratamento. 

+Vítima de ataque em Las Vegas acorda de coma e anda normalmente

Seu plano de saúde cobrirá apenas US$ 5 mil da conta, com uma coparticipação de 20%. E ele pode precisar ainda de outra cirurgia, sem contar os gastos com reabilitação, remédios e fisioterapia. 

“Despesas médicas estão astrônomicas hoje em dia”, disse ele à CNN. “Não sei se conseguiremos pagar, mas faremos o nosso melhor.”

Enquanto centenas de sobreviventes do massacre ainda lutam para se recuperar fisica e emocionalmente do tiroteio, muitos começam a perceber o custo financeiro da tragédia. Mesmo quem tem plano de saúde está preocupado com o volume das despesas. Muitos terão dificuldade em retornar ao trabalho. 

Segundo Garen Wintemute, que pesquisa violência relacionada a armas de fogo, o custo das despesas médicas relacionadas ao ataque em Las Vegas deve chegar a a dezenas de milhares de dólares. Ao menos 546 pessoas ficaram feridas, com diferentes graus de gravidade, quando Stephen Paddock abriu fogo contra a multidão que assistia a um festival de música country na cidade. 

“Não temos muita noção ao custo relacionado a uma tragédia dessas”, disse Wintemute. “Os efeitos colaterais são assustadores.”

Um estudo do Centro de Controle de Doenças estima que o custo de despesas médicas para as 100 mil pessoas baleadas todos anos nos Estados Unidos é de US$ 2,8 bilhões. O custo de internação médio para um baleado é de U$ 96 mil. O país não tem um Sistema Único de Saúde. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.