Vítimas do crime formam esquadrão da morte em Honduras

O governo de Honduras informa que dois grupos de parentes de vítimas de assassinato querem fazer justiça com as próprias mãos e estão matando criminosos em diferentes regiões do país. De acordo com dados oficiais, pelo menos 50 jovens foram mortos neste ano, apenas em Tegucigalpa. A maioria tinha ficha criminal. A polícia desconfia que tenham sido executados por vingança. "É uma situação lamentável e nos preocupa", disse à imprensa o ministro de Segurança, Oscar Alvarez. "E como os juízes não são contundentes em aplicar a lei, os grupos de extermínio não temem a Justiça". "Aparentemente trata-se de uma limpeza social... e presumimos que a onda de mortes violentas na capital e na costa norte responde a uma profilaxia social realizada pelas vítimas contra os criminosos", acrescentou o ministro. Segundo Alvarez, "uma grande quantidade de criminosos aparece quase todos os dias atirada em lugares abandonados com cinco ou seis balas, sem que nada tenha sido roubado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.