Vítimas fatais do terremoto no Irã chegam a 66

Os serviços de emergência iranianos intensificam hoje os trabalhos de resgate no oeste do país, onde vários tremores ocorridos na noite de quinta-feira deixaram dezenas de mortos e centenas de feridos em mais de cem localidades. Segundo os últimos dados da televisão pública iraniana, pelo menos 66 pessoas morreram e há mais de mil feridos em conseqüência de três fortes terremotos e mais de dez réplicas menores, que sacudiram a província de Luristan. O governador de Luristan, Mohsení Saní, disse que os números são provisórios devido à magnitude da tragédia. "A maioria dos mortos é das cidades de Dorud e Boruyerd e de povoados próximos", afirmou o governador, à emissora de TV. A cidade mais afetada foi a de Boruyerd, com 140 mil habitantes, onde pelo menos 33 pessoas morreram e 675 ficaram feridas, informou a televisão pública. Os tremores também atingiram a planície de Dashte Seilajor, entre Dorud e Boruyerd, onde os edifícios de cerca de 330 povoados sofreram danos de 30% a 100%, disse a agência oficial Irna. No começo da manhã, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, ordenou ao Ministério do Interior que use "todos os meios disponíveis" para ajudar os afetados pelos terremotos. Pouco depois, no entanto, Mohsen Drikvandi, diretor do Crescente Vermelho, deu por encerradas as operações de resgate nas zonas afetadas e assegurou que os esforços se concentram na ajuda aos desabrigados. Segundo a imprensa local, o primeiro tremor foi de 4,7 graus na escala Richter e teve seu epicentro em Dorud, cerca de 400 quilômetros a sudoeste de Teerã. O segundo tremor foi de 5,1 graus, e um terceiro atingiu 6 graus na escala Richter - quanto maior o número na escala, maiores os danos causados. Outros terremotos no Irã O Irã fica situado na confluência de duas placas tectônicas, o que faz com que os sismos sejam freqüentes e, em algumas ocasiões, de grande magnitude. O mais grave dos últimos anos ocorreu em Bam, em 26 de dezembro de 2003, quando um terremoto de 6,3 graus deixou 26.271 mortos na cidade do sudeste iraniano, que ficou 70% destruída. Há pouco mais de um ano, em 22 de fevereiro de 2005, um tremor de 6,4 graus na escala Richter na província de Kermán, também no sudeste, matou mais de 600 pessoas.

Agencia Estado,

31 Março 2006 | 11h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.