Vitória de Bush não traz mudanças para América Latina

A vitória eleitoral do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em Estados com alta concentração de eleitores hispânicos não traz perspectivas de mudanças importantes na política de Washington com relação à América Latina. Apesar disso, é muito provável que uma eventual vitória de seu principal rival, o democrata John Kerry, também não acarretasse alterações significativas na política para o hemisfério.A notável vitória de Bush no Estado da Flórida, onde em 2000 ele foi declarado vencedor por estreita margem depois da polêmica interrupção da recontagem dos votos pela Suprema Corte dos EUA, parece ser uma recompensa da comunidade cubana no exílio pela dureza com que o presidente trata o governo comunista de Fidel Castro. Em matéria de imigração, as propostas de Bush são muito mais conservadores do que as de John Kerry. Enquanto o democrata oferecia anistia aos imigrantes ilegais que moram nos Estados Unidos, Bush falava em contratos de trabalho de três anos para os imigrantes que estão por vir.A permanência do governante republicano na Casa Branca por mais quatro anos garante a continuidade da ajuda à Colômbia para o combate ao narcotráfico e a insistência na criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Bush pretende retomar as negociações para a criação da área de livre comércio e promover um trabalho bilateral e multinacional mais estreito com o Brasil, país com o qual os EUA compartilham a presidência da Alca na etapa final do processo.Veja o especial Bush - Mais Quatro anosMais notícias sobre as eleições nos EUA

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.