Vitória de candidato pró-Pequim em Taiwan alivia EUA

Washington saúda reeleição de Ma, no sábado, e diz esperar fortalecimento de laços entre a ilha e a China

CLÁUDIA TREVISAN, ENVIADA ESPECIAL/ TAIPÉ, TAIWAN, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2012 | 03h01

Não foi apenas a China que respirou aliviada com a vitória do nacionalista Ma Ying-jeou na disputa presidencial de ontem em Taiwan. O governo dos Estados Unidos também saudou a reeleição de Ma e disse esperar a continuidade dos "esforços impressionantes" empreendidos por Taipé e Pequim para fortalecer o relacionamento bilateral.

"Esses vínculos e a estabilidade nas relações no estreito também beneficiaram as relações entre EUA e Taiwan", declarou a Casa Branca em nota sobre o resultado do pleito.

Reeleito com 52% dos votos, o líder do Kuomintang empreendeu nos últimos quatro anos uma política agressiva de aproximação com a China, que levou à retomada de voos diretos entre as duas regiões depois de seis décadas de interrupção, facilitou investimentos e abriu a ilha a turistas do continente.

Os dois lados assinaram ainda um acordo de livre comércio, que permitiu a redução de tarifas em uma série de produtos, em um universo que se ampliará em negociações subsequentes.

A posição conciliadora de Ma foi recebida do outro lado do estreito por uma política igualmente conciliadora do presidente Hu Jintao, que abandonou a atitude belicosa e ameaçadora adotada tradicionalmente pela China em relação a Taiwan _a ilha para a qual os nacionalistas fugiram sob o comando de Chiang Kai-shek depois de perderem a guerra civil para os comunistas em 1949.

Pequim sustenta que Taiwan faz parte de seu território e ameaça ir à guerra caso seus governantes declarem independência. Ma é favorável à manutenção do "status quo" e defende a política dos três "nãos": não à independência, não à reunificação, não ao uso da força.

A permanência da situação atual também é a preferida dos norte-americanos, que são os principais garantidores da segurança de Taiwan e são obrigados por lei a defender a ilha em caso de agressão externa.

A candidata derrotada, Tsai Ing-wen, do Partido Democrático Progressista (PDP) é favorável à independência de Taiwan e rejeita o chamado "Consenso de 1992", que dá a base para as negociações entre a ilha.

Costurado por Taipé e Pequim em 1992, o "consenso" diz que existe "só uma China", mas permite que cada lado interprete o conceito como quiser.

Para o Partido Comunista, a expressão se refere à República Popular da China fundada em 1949, enquanto para o Kuomintang, é a República da China criada em 1911 e "transferida" para a ilha depois da derrota dos nacionalistas em 1949.

Pequim não admite a revisão do princípio de "uma só China", que abriria as portas para a busca da independência por Taiwan. Na avaliação de Zhu Songling, especialista nas relações do estreito na Beijing Union University, a recusa do "Consenso de 1992" foi uma das principais razões para a derrota de Tsai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.