Vitória de governador de Tóquio fortalece nacionalismo

A eleição, pela terceira vez, do nacionalista Shintaro Ishihara para o governo de Tóquio, fortaleceu o Partido Liberal Democrático (PLD), e a política em prol do rearmamento japonês.Ishihara, escritor célebre por suas declarações ultra-nacionalistas e misóginas, apresentou-se como candidato independente, para tentar permanecer no governo por mais quatro anos.No entanto, devido à carência de candidatos para as eleições da capital, Ishihara aceitou o apoio do PLD, que controla o poder no Japão quase sem interrupções desde que foi fundado, em 1955.Além de escolherem o governador da metrópole de Tóquio, os eleitores japoneses votaram para eleger o governo regional em outras 12 das 47 regiões japonesas.Em 44 das regiões e em 15 grandes cidades, estavam em jogo os cargos de membros do Legislativo. Os resultados devem ser conhecidos no início desta segunda-feira.Misoginia Ainda sem conhecer os resultados gerais das eleições, que terão uma segunda etapa para cidades menores e bairros de Tóquio no final deste mês, a imprensa local anunciou a vitória do PLD.Segundo previsões da agência local Kyodo, os candidatos do PLD estavam na frente em Hokkaido e Fukuoka, enquanto o Partido Democrático, o maior da oposição, vencia em Iwate e Kanagawa.Ishihara, autor de um manifesto antiamericano intitulado O Japão que pode dizer Não, acumulou prestígio ao qualificar as mulheres em menopausa de "indignas" de continuar vivendo, por sua incapacidade de procriar.Outro alvo de seus freqüentes deslizes verbais são os estrangeiros residentes em Tóquio, especialmente os asiáticos, a quem Ishihara atribui a deterioração da segurança da capital.OlimpíadasSeu trunfo nas eleições foi a candidatura de Tóquio para as Olimpíadas de 2016 e, ao anunciar seu desejo de seguir no governo, apelou para a necessidade de trazer à capital seus primeiros Jogos Olímpicos desde 1964.Já seguro de sua vitória, Ishihara agradeceu ao eleitorado por seu "bom senso", ao lhe permitir continuar como governador da metrópole com mais de 12 milhões de habitantes.É preciso observar, no entanto, o grau ligeiramente inferior de apoio obtido por Ishihara. Nas eleições anteriores, em 2003, teve mais de três milhões de votos, mas em uma apuração da agência Kyodo, os eleitores sem partido que votaram em Ishihara foram apenas 39,6%, contra 70% nas eleições anteriores.O opositor mais próximo de Ishihara foi Shiro Asano, de 59 anos, que contou com o apoio do Partido Democrático (PD). Cerca de 90% dos candidatos a governador e membros da Assembléia já estavam ocupando os cargos cobiçados, e foram apoiados pela coalizão composta pelo PLD e pelo partido Novo Komeito, de cunho budista.Um total de 3.773 pessoas apresentou candidaturas para preencher 2.544 cadeiras nas Assembléias de 44 regiões. As eleições deste domingo foram as primeiras do governo do primeiro-ministro, Shinzo Abe, e as vitórias anunciadas constituem um forte reforço para o PLD na segunda etapa das eleições locais, no dia 22, e nas do Senado, previstas para meados do ano.Abe, que procura abolir as limitações na área da Defesa previstas pela atual Constituição pacifista, teve seu apoio popular fortemente reduzido nas pesquisas, devido a vários casos de corrupção envolvendo membros de seu governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.