Vitória de Uribe no primeiro turno é grande incógnita da eleição

Os colombianos vão hoje às urnas para escolher seu próximo governante e a incógnita está em saber se o presidente Álvaro Uribe conseguirá ser reeleito já no primeiro turno ou se terá que esperar o resultado até 18 de junho.Há um mês, todas as enquetes davam por certo que Uribe não teria dificuldade em obter a vitória no primeiro turno. No entanto, nas últimas semanas, Carlos Gaviria, candidato do movimento esquerdista Pólo Democrático Alternativo (PDA), aumentou consideravelmente sua percentagem em intenções de voto.As últimas pesquisas, divulgados no domingo passado, segundo estabelece a lei eleitoral, ainda davam entre 53 e 60% dos votos para Uribe, mas Gaviria subia de 10 para 23%.26,7 milhões de colombianos vão às urnasMais de 26,7 milhões de colombianos estão convocados às urnas, mas a tradicional abstenção, que costuma superar 50%, pode ser ainda maior já que na segunda-feira é feriado. O voto em branco, contabilizado no total dos sufrágios, também contribui para a incerteza nos resultados.Uribe, que durante a campanha se negou a debater com os outros cinco candidatos com o argumento de que durante os últimos quatro anos o tem feito diariamente com os colombianos e que todos conhecem sua posição sobre todos os temas, insistiu nos últimos dias em pedir a seus compatriotas que compareçam às urnas.O presidente-candidato, como foi seu costume durante os quatro anos de mandato, não deu entrevistas à mídia escrita, mas discursou na televisão e, sobretudo, no rádio, especialmente nas últimas semanas.De acordo com analistas, Uribe soube conduzir muito bem a campanha neste aspecto, já que o principal meio de comunicação para se chegar a toda a população é o rádio. No entanto, o mandatário não pôde evitar as críticas por sua ausência nos debates, nos quais poderia ter perdido a calma.Uribe disse ontem que todo mundo conhece sua posição em todos os assuntos, por isso não quis participar de debates para discutir propostas por acreditar que se transformariam em um "confronto pessoal".Gaviria supera amplamente terceiro adversárioPor sua parte, Gaviria superou amplamente em intenções de voto o terceiro adversário, Horacio Serpa, o candidato da outrora perfeita maquinaria do Partido Liberal, que, segundo as últimas enquetes, não chega aos 10%, enquanto para os outros três candidatos se prevê um voto meramente testemunhal.A afirmação de Uribe de que todos os colombianos conhecem suas posições sobre todos os temas é um fato, mas ele é criticado por não ter debatido, cara a cara com os outros candidatos, os assuntos mais controvertidos.O tratado de livre-comércio assinado em fevereiro com os Estados Unidos, a política de segurança democrática, as fumigações das plantações de coca e o narcotráfico, assim como a forma com que chegou a um acordo com os paramilitares das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) e as suspeitas que isto levanta, são alguns desses temas controversos.Outros temas polêmicos são a política econômica, com bons resultados na área macroeconômica, mas desatenta ao social, segundo seus críticos, e como lidar com a principal guerrilha do país, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Os eleitores gostariam de ter visto os candidatos debaterem todos esses aspectos.Sem nomeá-lo, Uribe definiu Gaviria, transformado em seu principal adversário, como "comunista disfarçado", ambíguo em sua posição frente ao terrorismo-guerrilha e antiquado quanto a suas receitas econômicas.Gaviria foi professor de Uribe na Universidade de AntioquiaGaviria, ex-presidente da Corte Constitucional e antigo professor de Uribe na Universidade de Antioquia, teve que atuar praticamente na defensiva. Ele reconhece que os colombianos podem estar convencidos que têm maior segurança desde que Uribe chegou ao poder, em 2002, mas lembra que a pobreza inclui 65% da população e questiona as receitas sociais de Uribe.O presidente-candidato, um dissidente liberal, realizou uma reforma constitucional que aprovou a reeleição imediata, mas o que se intuía já em 2002, quando ganhou de forma surpreendente com seu movimento Primeiro Colômbia no primeiro turno, agora se está confirmando.Seu movimento, formado por vários grupos que disputam entre si "o favor" do presidente, enfrenta o PDA, outro conglomerado de grupos e independentes de esquerda, enquanto os liberais e os conservadores, que dominaram durante décadas a política colombiana, estão imersos em graves crises.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.