Jason Minto/AP
Jason Minto/AP

Vitória em primária abre caminho para democrata ser 1ª trans eleita para um Senado estadual nos EUA

Sarah McBride concorre para vaga ao Senado de Delaware mantida por Harris McDowell desde 1976; legislador mais antigo da história do Estado, McDowell manifestou apoio a ela

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2020 | 20h24

DOVER, EUA - A ativista Sarah McBride, de 30 anos, venceu as primárias democratas para a corrida ao Senado de Delaware na terça-feira e está prestes a fazer história como a primeira pessoa transgênero a ser eleita para o Legislativo do Estado nos EUA. A ativista derrotou Joseph McCole para avançar para as eleições gerais de novembro. O distrito do Senado em disputa se estende do norte de Wilmington até a fronteira com a Pensilvânia e é mantido pelo democrata Harris McDowell desde 1976. McDowell, que está se aposentando e endossou McBride, é o legislador mais antigo da história de Delaware.

McBride disse em uma entrevista que queria que sua vitória inspirasse outras pessoas. “Minha esperança é que esse resultado possa ajudar a reforçar para uma criança que está tentando encontrar seu lugar neste mundo, aqui em Delaware ou em qualquer outro lugar deste país, que essa democracia é grande o suficiente para elas também”, disse. “Agora mesmo na América, estamos vendo vozes que por tanto tempo foram empurradas para as margens e para as sombras finalmente sendo ouvidas”, acrescentou.

A candidata não é novata na política nacional ou local. Em 2012, ela se tornou a primeira pessoa abertamente transgênero a trabalhar na Casa Branca quando era estagiária durante a administração do presidente Barack Obama. Ela fez história na Convenção Nacional Democrata de 2016 ao se tornar a primeira pessoa trans a falar em uma convenção de um partido importante. Mais tarde, ela atuou como secretária de imprensa nacional da organização Campanha de Direitos Humanos. 

De acordo com as pesquisas, os democratas superam os republicanos no distrito em disputa, e McBride é a grande favorita contra o republicano Steve Washington em novembro. Se eleita, ela se juntará a um grupo de outros legisladores trans em todo o país, mas será a primeira em um Senado estadual.

"Estou trazendo todo o meu eu para esta corrida", disse McBride à agência Associated Press em uma entrevista antes das primárias de terça-feira. "Minha identidade é uma parte de quem eu sou, mas é apenas uma parte. Eu estaria legislando com base não na minha identidade, mas nos meus valores e nas necessidades dos meus eleitores."

A campanha de McBride gerou interesse em todo o país e arrecadou mais de US$ 250 mil em doações, superando os totais de arrecadação de fundos até mesmo para candidatos a cargos estaduais em Delaware.

As prioridades de McBride incluem renda familiar e licença médica para todos os trabalhadores, redução de custos e aumento da concorrência no setor de saúde e fortalecimento das escolas públicas.

Para Entender

Eleições nos EUA: entenda o processo eleitoral americano

Saiba como funcionam bipartidarismo, prévias, escolha dos vices, colégio eleitoral, votos, apuração e pesquisas na disputa presidencial dos Estados Unidos

Depois de servir como presidente do corpo estudantil na American University, McBride começou na política como voluntária para Matt Denn durante sua campanha bem-sucedida em 2004 para procurador-geral. O pai de Denn e McBride trabalhavam em um escritório de advocacia de Wilmington conhecido por seus laços com o Partido Democrata.

McBride mais tarde trabalhou nas campanhas do ex-governador Jack Markell e do ex-procurador-geral do Estado Beau Biden, filho do candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden.

"No próximo ano, como a primeira senadora estadual transgênero em nosso país, Sarah mostrará que qualquer criança pode realizar seu sonho, não importa sua identidade de gênero ou orientação sexual", disse o presidente da organização Campanha de Direitos Humanos, Alphonso David./AP e NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.