Vitória no Iraque será triunfo ideológico, diz Bush

O presidente George W. Bush prevê que a vitória no Iraque será "um grande triunfo ideológico na luta do século XXI, enquanto ele se prepara para começar uma campanha renovada para defender sua estratégia de guerra. A iniciativa ocorre pouco antes das eleições no país e do quinto aniversário dos ataques de 11 de setembro.Iniciando uma série de discursos sobre a guerra, na convenção nacional da Legião Americana, nesta quinta-feira, Bush planeja reconhecer que são tempos conturbados - marcados pela violência sectária no Iraque, disputas na fronteira entre Israel e Líbano e a suspeita trama terrorista para explodir aviões entre os EUA e a Inglaterra. Mas ele argumentou que o derramamento de sangue e ameaças fazem parte de uma luta ideológica entre a liberdade e extremismo, que os EUA não devem abandonar. "Não são discursos políticos", disse Bush nesta quarta-feira quando perguntado se eles podem ter algum impacto nas eleições do congresso a serem realizadas em dois meses. "São discursos sobre o futuro deste país, e são discursos para esclarecer que se nos retirarmos (do Iraque) antes do trabalho estar feito, essa nação pode correr ainda mais perigo. São tempos importantes, e eu realmente espero que as pessoas não politizem os assuntos que irei abordar." Não por menos, como em todas as eleições desde os ataques de 11 de setembro, segurança nacional continua sendo o assunto dominante na campanha atual, quando os republicanos encaram a perspectiva de perder o controle do congresso, principalmente por causa da reprovação por parte dos americanos em relação à guerra do Iraque."São tempos de desafio. Gostaria de poder informar que está tudo bem", disse Bush aos seus apoiadores, ao chegar no aeroporto de Salt Lake City nesta quarta-feira."Se deixarmos as ruas de Bagdá antes de o trabalho estar feito, teremos que encarar terroristas nas nossas próprias cidades", disse Bush. "Manteremos o rumo, ajudaremos no sucesso dessa jovem democracia iraquiana e a vitória no Iraque será um grande triunfo ideológico na luta do século XXI." Mas nem todos no conservador estado de Utah apóiam o presidente. O prefeito de Salt Lake City, Rocky Anderson, democrata, liderou milhares em demonstrações anti-Bush pelas ruas da cidade nesta quarta-feira. Ele chamou Bush de "um presidente desonesto, belicista e violador dos direitos humanos". Em pesquisa realizada em agosto, apenas um terço dos americanos aprovam como Bush tem conduzido a guerra.Bush obteve sucesso, e conseguiu apoiadores em discursos anteriores sobre guerra, quando invoca a memória dos ataques de 11 de setembro e retrata os conflitos atuais como uma extensão dessa batalha ideológica.É a terceira vez em menos de um ano que Bush faz uma série discursos sobre o Iraque e terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.