Vitória trabalhista na Austrália põe fim à ''''era Howard''''

Oposição promete grandes mudanças, como a retirada de soldados no Iraque e a adesão ao Protocolo de Kyoto

Ap e Reuters, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

O líder do Partido Trabalhista, Kevin Rudd, venceu as eleições de ontem na Austrália, encerrando 11 anos de governo conservador e prometendo grandes mudanças nas políticas do país, principalmente sobre o aquecimento global e a guerra do Iraque."Hoje, a Austrália olhou para o futuro", disse Rudd, um ex-diplomata, a centenas de partidários. "Hoje, o povo australiano decidiu que nós, como uma nação, iremos para a frente, para abraçar o futuro e, juntos, escrever uma nova página na história de nossa nação", acrescentou, num discurso transmitido pela TV.A vitória dos trabalhistas trouxe um humilhante final de carreira para o primeiro-ministro John Howard, do Partido Liberal, o segundo líder australiano que mais tempo ficou no poder. Mais embaraçoso ainda, Howard também corria o risco de perder sua cadeira no Parlamento. "Aceito total responsabilidade pela campanha do Partido Liberal e pela derrota da coalizão na campanha eleitoral", disse Howard.Números oficiais da Comissão Eleitoral Australiana indicavam que os trabalhistas haviam obtido 53% dos 70% dos votos apurados e a coalizão de Howard, 46,7%. Com base nesses dados, analistas disseram que o Partido Trabalhista conquistará pelo menos 81 das 150 cadeiras da Câmara Baixa do Parlamento.A mudança de governo representará uma mudança geral no país. Rudd, de 50 anos, pediu o apoio dos eleitores argumentando que Howard não estava em compasso com a moderna Austrália e também não tinha preparo para lidar com novas questões, como a mudança climática. Durante a campanha, Rudd prometeu que assinaria o Protocolo de Kyoto se vencesse as eleições. Se ele fizer isso, os Estados Unidos serão o único país industrializados a não assinar o pacto.A campanha de Howard centrou-se em sua condução da economia, destacando que seu governo foi responsável por 17 anos de crescimento ininterrupto, impulsionado pela crescente necessidade da China e da Índia de carvão e outros minérios australianos. Um novo governo provavelmente significará uma mudança em larga escala na política externa da Austrália, incluindo as relações com os Estados Unidos - país que é seu principal parceiro na área de segurança - e com a Ásia, cada vez mais importante para a economia australiana.Rudd disse que, se chegasse ao poder, retiraria os 550 soldados a Austrália tem em missões de combate no Iraque, deixando cerca de mil militares com tarefas de treinamento e segurança. Howard havia dito que todos os soldados permaneceriam no Iraque o tempo necessário.As eleições foram uma luta sobre temas nacionais, principalmente com os trabalhistas se aproveitando do fato de a população estar aborrecida com as leis trabalhistas e os elevados juros cobrados pelos proprietários de imóveis.O presidente americano, George W. Bush, felicitou ontem o líder trabalhista por sua vitória e elogiou o governo de Howard, um grande aliado político. "Os EUA e a Austrália têm sido fortes parceiros e o presidente busca trabalhar com esse novo governo e prosseguir com nosso histórico relacionamento", disse a Casa Branca em um comunicado. Rudd prometeu que a Austrália manterá sua boa relação com os EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.