Imagem Gilles Lapouge
Colunista
Gilles Lapouge
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Viva a morte!

PARIS - No Quênia, em Nairóbi, homens invadem um shopping center, atiram contra a multidão, matam 61 civis e deixam 200 feridos.

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2013 | 02h10

Num outro país africano, a Nigéria, membros do grupo Boko Haram atacam a pequena cidade de Borno. Incendeiam duas casas. Os habitantes saem às ruas. Os terroristas atiram, há 150 cadáveres.

No Paquistão, na Ásia, um duplo atentado suicida tem por alvo a igreja cristã de Peshawar. Cinquenta mortos. Os camicazes atiraram no momento em que as pessoas saíam da missa.

Cada um desses três ataques foi provocado por uma situação singular, local ou regional. No entanto, está claro que os três têm um ponto comum. Foram perpetrados pelo islamismo radical que há muitos anos vem enlutando a Terra.

Sem subestimar a culpa assustadora dos jihadistas islamistas, podemos perguntar se um outro delírio não está se formando. Tudo ocorre como se uma "Internacional dos Apaixonados pela Morte" castigasse duramente nosso planeta há um século.

No início da Guerra Civil da Espanha, em 1936, um fato que ocorreu poderia servir de "frontispício" para nosso tempo e talvez até para esse longo romance ensanguentado que nós chamamos de A História.

Em 12 de outubro de 1935, uma cerimônia é realizada na Universidade de Salamanca por soldados fascistas. O general franquista Milan Astray, homem caolho, manco e perneta, pronuncia um discurso que termina com essa frase: "Viva a morte!".

O reitor da Universidade de Salamanca é o grande filósofo Miguel de Unamuno (O sentimento trágico da vida). É um homem de direita, mas não é fascista. Ele toma a palavra. "Acabo de ouvir um grito insano e desprovido de sentido, 'Viva la muerte'. É um grito bárbaro, repugnante." Na sala, desencadeia-se a desordem. O general fascista repete mecanicamente: "Viva a morte! Morte à inteligência!"

Os legionários fascistas marcham na direção do filósofo Unamuno. Este se retira dignamente em meio ao público vociferante. Morrerá alguns dias mais tarde, no último dia do ano de 1936. De tristeza.

Menos de dez anos depois, no dia 10 de junho de 1944, a divisão alemã Das Reich, na França, desloca-se na direção da Normandia - onde ocorre o desembarque dos aliados. Os alemães chegam à aldeia de Oradour sur Glane. Reúnem todos os habitantes, sem exceção, e atiram: 642 cadáveres. O que há de espantoso? Há muitos anos, o líder alemão, Adolf Hitler, também celebra seu "amor pela morte" assassinando milhões de judeus nas câmaras de gás.

Hoje, outros adoradores da morte massacram, sem qualquer motivo, sem mesmo um pretexto, crianças, mulheres, camponeses, gente pacífica, de uma extremidade à outra da África e da Ásia. Eles contribuem, aprimorando-o, para o amor à morte celebrado pelo general franquista de Salamanca, pelos soldados alemães de Das Reich e pelos especialistas das câmaras de gás.

Não se contentam em amar a morte dos outros, amam também a própria morte, porque se reúnem às suas vítimas no mesmo nada. Os assassinos suicidas matam seus inimigos com uma "arma absoluta": sua própria morte.

*Gilles Lapouge é correspondente em Paris.

TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Mais conteúdo sobre:
Gilles Lapouge

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.