Vizinhos mostram apoio à China após distúrbios de Urumqi

A SCO é formada por China, Rússia, Tadjiquistão, Uzbequistão, Quirguistão e Cazaquistão

EFE,

12 de julho de 2009 | 01h22

A Organização para a Cooperação de Xangai (SCO), mostrou seu apoio à China nos distúrbios de Xinjiang, região que compartilha fronteira com vários dos Estados-membros.

 

A SCO, com sede central em Pequim, é formada por China, Rússia, Tadjiquistão, Uzbequistão, Quirguistão e Cazaquistão.

 

A organização foi fundada em 2001 em Xangai para aumentar os intercâmbios e a cooperação entre China, Rússia e os países de Ásia Central, especialmente em matéria de segurança e defesa.

 

Em comunicado assinado pelo secretário-geral da organização, o cazaque Bolat Nurgaliev, a SCO assegurou que "as medidas que o Governo chinês está adotando, de acordo com a lei, restaurarão a paz e a ordem na região".

 

Nurgaliev assegurou que após os distúrbios, nos quais morreram 184 pessoas segundo o Governo chinês (cerca de 800 de acordo com os uigures no exílio) a SCO aumentará a cooperação entre os países-membros para "combater o terrorismo, o separatismo, o extremismo e o crime organizado transnacional".

 

Uzbeques, quirguizes e casaques são povos túrquicos com similitudes linguísticas, culturais e religiosas com os uigures, povo que protagonizou os confrontos com os chineses da etnia majoritária han em Xinjiang.

 

O comunicado da SCO, publicado em seu site oficial (www.sectsco.org), assegura que a região de Xinjiang é "uma parte inalienável da República Popular da China" e seus problemas são "puramente assuntos internos da China".

 

A SCO também mostrou suas condolências pelos "inocentes assassinados nos distúrbios de Urumqi".

Tudo o que sabemos sobre:
china

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.