Vizinhos querem novas sanções contra a Coreia do Norte

Apesar da condenação mundial ao lançamento de foguete, ONU decide não agir contra Pyongyang

Agência Estado e Dow Jones,

06 de abril de 2009 | 09h02

Os vizinhos da Coreia do Norte debateram nesta segunda-feira, 6, a imposição de novas sanções contra o país por causa do disparo de um foguete de longo alcance durante o fim de semana. A Coreia do Sul avalia a possibilidade de desenvolver mísseis de maior alcance e o Japão considera a intensificação das sanções econômicas vigentes. Ao mesmo tempo, o governo americano exige "uma resposta clara e convincente" da Organização das Nações Unidas (ONU) ao lançamento.

 

Veja também:

linkLançamento representa perigo real aos EUA 

linkONU não chega a consenso sobre sanção à Coreia do Norte

linkCoreia do Norte dispara foguete e aumenta tensão na região

video Roberto Godoy analisa a tensão entre Pyongyang e EUA

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

A Coreia do Norte realizou no domingo o disparo de um foguete de longo alcance visto por seus críticos como um teste de míssil. Segundo o governo norte-coreano, o foguete levaria um satélite de comunicações à órbita da Terra. O foguete falhou durante o segundo de seus três estágios e caiu no Oceano Pacífico, cerca de 1.300 quilômetros ao leste do Japão, segundo analistas americanos, sul-coreanos e japoneses.

 

Nesta segunda, a Rússia, um país mais amistoso com relação à Coreia do Norte do que os outros três, também informou que o míssil aparentemente falhou antes de alcançar o terceiro estágio, informaram agências locais de notícias. Já a mídia estatal norte-coreana anunciou que o foguete chegou ao espaço e colocou em órbita um satélite. Apesar de isso não ter acontecido, segundo os analistas, o foguete voou mais longe do que mísseis testados pela Coreia do Norte em 1998 e 2006.

 

Nas semanas que antecederam o lançamento, autoridades militares americanas e japonesas afirmavam ter capacidade de abater o foguete, mas isso não foi tentado no domingo. Reunidos na noite de ontem em Nova York em caráter emergencial, os 15 países que integram o Conselho de Segurança (CS) da ONU discutiram uma resolução sobre o tema, mas não chegaram a um acordo imediato sobre o texto.

 

A embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, disse que Washington quer uma resolução com força de lei para que os líderes norte-coreanos "entendam que não podem agir impunemente" Numa entrevista concedida à emissora de televisão CBS, ela qualificou o lançamento como "uma clara violação das leis internacionais". Ela disse ainda que os EUA estão em consulta com os demais integrantes do CS da ONU e que os contatos continuarão pelos próximos dias.

 

De acordo com analistas, os diplomatas tentarão agora equilibrar uma resolução que tenha algum efeito sobre Pyongyang, mas buscando evitar que a resposta pareça uma reação exagerada a um acontecimento que não acarretou nenhum perigo militar imediato.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteEUACoreia do SulJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.