Voldemort entra em troca de farpas entre China e Japão

Lord Voldemort, principal vilão da saga Harry Potter, escrita pela britânica J.K. Rowling, foi arrastado para uma disputa entre Japão e China a respeito de um santuário dedicado a mortos de guerra que fica em Tóquio.

Agência Estado

06 de janeiro de 2014 | 15h21

China e Coreia do Sul dizem que o templo, visitado recentemente pelo primeiro-ministro Shinzo Abe, glorifica o passado militarista do Japão.

Em texto publicado pelo jornal Telegraph na semana passada, o embaixador da China no Reino Unido, Liu Xiaoming, disse que "se o militarismo é como a assombração de Voldemort do Japão, o santuário Yasukuni em Tóquio é um tipo de horcrux, representando a parte mais tenebrosa da alma da nação".

Uma horcrux contém parte da alma de Voldemort e todas as sete horcruxes devem ser destruídas para destruí-lo.

Em resposta, o embaixador japonês Keiichi Hayashi escreveu no mesmo jornal que os temores sobre o crescente militarismo no Japão são infundados, tendo em vista o compromisso do Japão com a paz.

Hayashi disse que a China se arrisca a fazer "o papel de Voldemort na região ao soltar o mal da corrida armamentista e da intensificação das tensões. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaJapãoVoldemort

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.