Voluntários ocidentais são libertados no Afeganistão

Oito voluntários ocidentais, funcionários da organização humanitária alemã Shelter Now International, detidos no Afeganistão pelo Taleban desde o dia 3 de agosto, foram libertados nesta quarta-feira. O grupo, que aparenta estar em boas condições de saúde, viajou em um helicóptero militar dos Estados Unidos para o Paquistão, onde estão reunidos alguns de seus familiares. Todos eles tinham sido presos e estavam sendo julgados pelo Taleban sob acusação de pregarem o cristianismo entre os muçulmanos afegãos, o que era considerado um crime grave pelas leis islâmicas fundamentalistas ditadas pelos talebans. O julgamento dos oito foi interrompido pelo início dos bombardeios norte-americanos, em 7 de outubro último, já que os juizes da Suprema Corte afegã temiam que os ataques pudessem atrapalhar sua decisão justa no caso. A milícia Taleban tinha finalmente concordado em libertar os voluntários, mas terminou por abandoná-los em Ghazni, cerca de 80 quilômetros a sudoeste de Cabul, ao fugir do avanço dos rebeldes da Aliança do Norte, o que permitiu que que os três helicópteros norte-americanos das forças especiais os resgatassem, ajudados, em terra, por membros da Cruz Vermelha. Os voluntários libertados são as norte-americanas Dayna Curry e Heather Mercer, os alemães Georg Taubmann, Margrit Stebnar, Kati Jelinek e Silke Duerrkopf e os australianos Peter Bunch e Diana Thomas. Sua libertação foi intensamente comemorada pelo presidente norte-americano, George W. Bush, em seu rancho na cidade de Crawford, no Texas, onde recebe o presidente russo, Vladimir Putin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.