EFE/ Bagus Indahono
EFE/ Bagus Indahono

Avião com 189 a bordo cai no mar na Indonésia; autoridades não acreditam em sobreviventes

Aeronave da companhia Lion Air rumava para Pangkal Pinang quando fez pedido para voltar à base e perdeu contato com a terra depois de 13 minutos; equipes de resgate encontraram os primeiros corpos entre os destroços do avião no mar de Java

O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2018 | 01h25
Atualizado 29 de outubro de 2018 | 16h47

JACARTA - Uma aeronave da companhia indonésia Lion Air com 189 pessoas a bordo caiu no mar nesta segunda-feira, 29, quando tentava retornar para a capital Jacarta, de onde havia decolado minutos antes, e provavelmente não há sobreviventes, disseram autoridades.

O voo JT610 da Lion Air, um Boeing 737 MAX quase novo, rumava para Pangkal Pinang, capital da região mineradora de Bangka-Belitung. Autoridades de resgate disseram ter recuperado alguns restos humanos no local da queda, a cerca de 15 quilômetros do litoral.

A Indonésia é um dos mercados da aviação que crescem mais rápido no mundo, mas tem um histórico considerável de acidentes. Se todos a bordo tiverem morrido, a queda terá sido o segundo pior desastre aéreo do país desde 1997, disseram especialistas da indústria.

O presidente da companhia aérea Lion Air, Edward Sirait, informou que o Boeing havia passado por reparos após um problema técnico recentemente. 

"O avião foi consertado na ilha de Bali e depois voou para Jacarta", declarou Sirait. "Os técnicos em Jacarta receberam um aviso e fizeram um reparo antes da decolagem para Pangkal Pinai", seu destino no momento do acidente, completou.

Sindu Rahayu, diretor geral da aviação civil no ministério dos Transportes, anunciou em outro comunicado que o avião transportava 178 passageiros adultos, uma criança e dois bebês, além de dois pilotos e seis integrantes da tripulação. As autoridades não informaram se havia estrangeiros a bordo.

O piloto havia feito um pedido para voltar à base, conhecido como RTB, depois que o avião decolou de Jacarta, tendo perdido contato com a terra depois de 13 minutos.

“É correto que um RTB foi solicitado e havia sido aprovado, mas ainda estamos tentando entender o motivo”, disse Soerjanto Tjahjono, chefe do comitê de segurança dos transportes da Indonésia.

“Esperamos que a caixa preta não esteja longe da maior parte dos destroços para que possa ser encontrada logo”, disse, referindo-se ao gravador de voz da cabine e do gravador de dados do voo.

O portal de acompanhamento de voos Flightradar mostra em um mapa a trajetória do Boeing 737 Max, que, depois de decolar no sentido sudoeste, gira para o sul e depois para o nordeste, antes de parar bruscamente sobre o mar de Java. 

Imagens dos destroços do avião e de pedaços de telefones celulares foram publicadas no Twitter pelo porta-voz da agência de gestão de catástrofes, Sutopo Purwo Nugroho. Famílias desesperadas aguardavam informações no aeroporto de Pangkal Pinang. As equipes de resgate encontraram os primeiros corpos entre os destroços do avião que flutuam no mar de Java em uma zona cerca de oito quilômetros a leste da península de Tanjung Karawang, local onde o avião desapareceu dos radares.

Outros acidentes

A Indonésia, um arquipélago do sudeste asiático com 17.000 ilhas e ilhotas, é muito dependente do transporte aéreo, e os acidentes são frequentes. 

Um adolescente de 12 anos sobreviveu em agosto a um acidente que deixou oito mortos em uma zona montanhosa da província remota de Papua. 

Em dezembro de 2016, 13 pessoas morreram na queda de um avião militar em Timika, também em Papua. 

Em agosto de 2015, um ATR 42-300 da companhia indonésia Trigana Air, que transportava 44 passageiros adultos, 5 crianças e 5 integrantes da tripulação, todos indonésios, caiu nas montanhas Bintang. Ninguém sobreviveu à tragédia.

A Lion Air já sofreu vários incidentes. Em agosto de 2017, um Boeing da empresa danificou uma asa de um ATR-72 da companhia Wings Air que aguardava para decolar no aeroporto internacional de Kualanamu, em Medan, terceira maior cidade do país.

Em maio de 2016, dois aviões do grupo Lion Air colidiram na pista do aeroporto de Soekarno-Hatta, na periferia de Jacarta. 

Em abril de 2013, um Boeing da empresa não conseguiu pousar na pista do aeroporto internacional de Denpasar, em Bali, e caiu no mar. As 108 pessoas a bordo sobreviveram no incidente que deixou 40 feridos. 

A Lion Air é uma filial do Lion Group, que possui mais quatro companhias: Wings Air e Batik Air na Indonésia, Malindo Air na Malásia e Thai Lion Air na Tailândia. / AFP, EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.