Vôo hipersônico da Nasa fracassa

A Nasa interrompeu hoje uma tentativa de fixar um novo recorde mundial de velocidade para veículo aéreo. O foguete que deveria impulsionar o jato experimental X-43A falhou e teve que ser destruído. O jato não tinha tripulação. O plano original era que o foguete Pégaso, lançado de um avião B-52, disparasse e levasse o jato a uma altitude de 32 mil metros. Nesse ponto, o jato ativaria seus próprios motores e voaria, por conta própria, durante dez segundos. No entanto, assim que foi lançado, o Pégaso passou a voar fora de controle. A Nasa decidiu, então, destruí-lo.O jato experimental supostamente também foi destruído pela explosão, que ocorreu a 8 mil metros, sobre o oceano Pacífico. Não há dados sobre feridos ou dano a propriedade. A Nasa já iniciou uma investigação. Se tudo tivesse funcionado, o X-43A deveria ter sido capaz de viajar 17 milhas (cerca de 26 quilômetros) em menos de dez segundos. O jato deveria utilizar o oxigênio da atmosfera para fazer a combustão do hidrogênio líquido que carregava. Foguetes convencionais carregam tanto o hidrogênio quanto o oxigênio necessários à reação.A Nasa esperava que o jato chegasse a Mach 7 (sete vezes a velocidade do som), superando o recorde atual, de Mach 6,7, cravado em 1967 por outro foguete experimental, o X-15. O X-43A seria o primeiro jato aspirado a atingir as chamadas velocidades hipersônicas, acima de Mach 5.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.