Vôo militar dos EUA gera protestos na Grã-Bretanha

A secretária de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Margaret Beckett, protestou contra os Estados Unidos por terem feito uso de um aeroporto no oeste da Escócia para transportar bombas para Israel."Nós já informamos aos Estados Unidos que este é um assunto no qual parece ter havido uma grave transgressão e faremos um protesto formal se for verificado que isto de fato ocorreu", disse Beckett. Diferentes partidos políticos britânicos protestaram contra a ação americana. O líder do Partido Nacionalista Escocês, Alex Salmond, disse que o governo britânico deve decidir se deseja ser um "porta-aviões" dos Estados Unidos. Os liberal-democratas disseram que, se comprovado, o caso representa uma provocação por parte dos Estados Unidos.A informação de que o aeroporto de Prestwick, na Escócia, havia sido usado para transportar bombas para Israel foi noticiada pelo jornal britânico Daily Telegraph.De acordo com o jornal, dois aviões de carga Airbus A310 que transportavam bombas guiadas a laser pousaram em Prestwick quando estavam a caminho de Israel.Os israelenses pediram os armamentos para poder atacar alvos do grupo militante Hezbollah no Líbano.Um programa de TV da BBC apurou que os Estados Unidos fizeram um pedido para transportar outros dois aviões contendo bombas e mísseis com destino a Israel, passando pela Grã-Bretanha.Pelo códico de aviação civil da Grã-Bretanha, países precisam de autorização para transportar equipamentos considerados perigosos e estão submetidos a inspeções para checar se estão atendendo às exigências necessárias. A Associação de Aviação Civil da Grã-Bretanha afirmou que caso os Estados Unidos não tenham dado informações suficientes sobre o conteúdo que os aviões transportavam será possível "tomar medidas".O aeroporto de Prestwick, que fica ao sul de Glasgow, fornece apoio logístico a vôos militares desde a Segunda Guerra Mundial, fazendo parte da rota de tropas e equipamentos militares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.