Voos são cancelados com nuvem de cinzas na Escócia

Uma densa nuvem de cinzas de um vulcão da Islândia tomou a direção da Escócia hoje, provocando o cancelamento de voos e fazendo com que o presidente Barack Obama reduzisse seu tempo de visita à Irlanda. Empresas aéreas de toda a Europa temem que os problemas causados um ano atrás pela erupção de um outro vulcão islandês se repitam.

AE, Agência Estado

23 de maio de 2011 | 19h54

A British Airways suspendeu todos os seus voos entre Londres e a Escócia para a manhã desta terça-feira e a empresa holandesa KLM cancelou mais de dez voos com destino e procedência da Escócia e do norte da Inglaterra no mesmo período. Duas empresas regionais também anunciaram cancelamento de seus serviços.

Ainda assim, funcionários disseram que não esperam que os problemas causados pelo vulcão Grimsvotn, que entrou em erupção no sábado, sejam tão grandes quanto os causados pelo vulcão que no ano passado fez com que quase todo o tráfego aéreo da Europa fosse interrompido por vários dias, por causa dos temores de que as cinzas pudessem fazer com que as turbinas parassem. Autoridades disseram que os sistemas e procedimentos foram melhorados e que não se espera que as cinzas cheguem à Europa continental.

A Autoridade Civil de Aviação Britânica (CAA, na sigla em inglês) disse que as cinzas podem chegar ao espaço aéreo escocês a partir de amanhã e afetar outras partes da Grã-Bretanha e da Irlanda ainda nesta semana.

A empresa regional de aviação escocesa Loganair cancelou 36 voos marcados para a manhã de amanhã. Os voos entre as ilhas escocesas não serão afetados. Outra pequena empresa aérea, a Eastern Airways, sediada no norte da Inglaterra, cancelou todos os voos com destino e procedentes da Escócia nesta terça-feira.

Obama, que deveria passar a noite de hoje na Irlanda, planejava voar para Londres nesta noite. No ano passado, as cinzas forçaram Obama a cancelar uma viagem para a Polônia.

Os problemas na Escócia são causados pela menor de duas nuvens de cinzas do vulcão. A principal nuvem causou problemas menores da Escandinávia. O principal aeroporto da Islândia, Keflavik, e o aeroporto doméstico de Reykjavik reabriram hoje após ficarem fechados por quase 36 horas. O Grimsvotn entrou em erupção no sábado.

Uma autoridade meteorológica da Islândia disse que a erupção já parece estar diminuindo, mas Thierry Mariani, ministro de Transportes da França, disse que ainda é muito cedo para dizer se o tráfego aéreo sobre a Europa será afetado pela erupção.

Mariani disse à rádio Europe 1 que a composição da nuvem será examinada nos próximos dias e que se for descoberto que as cinzas podem ser perigosas para os aviões, os países devem tomar a decisão conjunta de fechar o espaço aéreo europeu. "A prioridade deve sempre ser assegurar a segurança", disse ele.

O secretário de Transportes britânico, Phillip Hammond, disse à BBC que a Grã-Bretanha tem equipamentos na Islândia para fazer a análise da cinza que sai do vulcão e equipamentos em território britânico para analisar a densidade da cinza.

A nuvem se dirige principalmente para o sul a uma altura que vai de 5 quilômetros a 9 quilômetros, segundo dados do Escritório Meteorológico da Islândia. Esta é a altitude padrão para aviões de passageiros. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
vulcãoerupçãocinzasvoosEscócia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.