Votação de resolução da ONU pode acontecer na sexta-feira

O embaixador americano na ONU disse que pode haver uma votação nesta sexta-feira, dia 11, para uma resolução das Nações Unidas que tem o objetivo de terminar o conflito que já dura um mês entre Israel e os guerrilheiros do Hezbollah."Estamos progredindo e é totalmente possível que tenhamos uma votação amanhã", disse John Bolton após um encontro com seu semelhante francês, Jean-Marc de La Sabliere. "Encerramos algumas das áreas de discordância com a França".Os Estados Unidos e a França vem tentando deixar de lado as diferenças sobre um cronograma para uma retirada israelense do Líbano e concordarem em uma resolução.Houve outros sinais de que a ação tão esperada pelo Conselho de Segurança da ONU pode estar próxima.A secretária de relações exteriores britânica, Margaret Beckett disse que estava indo aos Estados Unidos para "reforçar" os esforços do Reino Unido para chegar a um acordo sobre uma resolução, dizendo que a situação é "urgente" e que "precisamos agora completar a tarefa".A secretária de Estado dos Estados Unidos Condoleezza Rice também estava preparada para ir ou para voltar "ou, se preciso, para trabalhar nos últimos detalhes", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado, Sean McCormack. IsraelEm Israel, um parlamentar, citando o primeiro-ministro israelense Ehud Olmert, disse nesta quinta que as Nações Unidas estavam projetando uma nova resolução para tentar terminar o conflito no Líbano.O Gabinete de Segurança Israelense autorizou Olmert nesta quinta a expandir a atual ofensiva no Líbano, mas as autoridades israelenses disseram que esperariam para dar mais tempo para o trabalho diplomático."Uma nova proposta está sendo construída, o que possui uma significância positiva que pode trazer um fim à guerra", disse o legislador Otniel Schneller, conselheiro de Olmert, citando o primeiro-ministro."Mas, caso o novo projeto não seja aceito, há a decisão do gabinete".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.