Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Votação na OEA deve reeleger Insulza

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), o chileno José Miguel Insulza, deve se reeleger hoje para mais cinco anos no cargo, depois de receber garantia de apoio da secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton. O novo mandato, porém, começa sob grande pressão, com Insulza fazendo promessas ao governo norte-americano a fim de garantir o apoio de Washington.

AE, Agencia Estado

24 de março de 2010 | 08h13

Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, em conversas com a secretária de Estado e com o secretário-assistente Arturo Valenzuela, Insulza comprometeu-se a tornar a prestação de contas na instituição mais transparente e ser mais pró-ativo na aplicação da carta democrática da instituição.

Depois de ser ignorada durante anos pelo Congresso norte-americano, a OEA agora está sob escrutínio de republicanos e democratas, que estão fazendo uma série de exigências. No dia 11, os senadores John Kerry e Robert Menendez introduziram um projeto de lei que aumenta o poder dos EUA sobre a instituição - que tem 60% do orçamento de sua secretaria-geral financiado por Washington. O Brasil não gostou. "A OEA não é uma sociedade anônima, é uma democracia, cada país tem um voto", disse o embaixador do Brasil na OEA, Ruy Casaes.

Os norte-americanos têm uma visão um pouco diferente. "Seria ótimo se outros países assumissem mais responsabilidade e contribuíssem com mais dinheiro para a OEA - e o Brasil é um bom exemplo, um país grande, emergente, que quer ter um papel maior na região. Seria ótimo se o Brasil, além de expor suas preocupações, abrisse a carteira também", disse Carl Meacham, assessor do senador republicano Richard Lugar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
OEAvotaçãoreeleiçãoInsulza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.