Votação reanima indústria do Kilt

Nacionalismo estimulou vendas de saia típica

Fernando Nakagawa, Correspondente/Londres, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2014 | 02h11

Há muitas maneiras para demonstrar o orgulho nacional. Alguns cantam, outros exaltam sabores e muitos bebem. Na capital britânica, escoceses parecem ter decidido sair vestidos a caráter. A procura pela típica peça de lã usada em ocasiões especiais, o kilt, disparou nas semanas que antecederam o referendo pela independência da Escócia.

Michael Dalrymple é um empresário da cidade de Dundee, no norte de Edimburgo. Lá, montou um mini império dos kilts. Dalrymple sempre ouviu falar que não é fácil encontrar pelo mundo a vestimenta nobre para os escoceses, que ainda é tratada como exótica fora do país. Por isso, abriu o negócio que, com a ajuda da internet e dos correios, aluga as peças pelo mundo. Com uma unidade na cidade natal e outra em Glasgow, a A1 Kilt Hire tem clientes espalhados por vários países e Londres é um dos principais mercados.

Enquanto políticos aumentavam o tom na disputa pelo eleitorado nas últimas semanas da campanha, o site da locadora de roupas escocesas viu a popularidade disparar. "A demanda aumentou muito e certamente foi o referendo. Clientes nos procuraram do lado de cá da fronteira, mas muitos estavam do lado de lá", disse por telefone de Dundee. "Sei que a maioria dos novos pedidos foi feita por escoceses que moram fora de nosso país e estavam orgulhosos do que acontecia. Era só orgulho. Orgulho de ser escocês", diz.

O kilt, a gaita escocesa e o uísque são três dos símbolos mais populares da Escócia que decidiu permanecer parte da Grã-Bretanha. Talvez isso explique porque estão entre os itens cuja procura mais cresceu no comércio. "O movimento começou a aumentar em julho, mas no último mês a média de pedidos foi pelo menos 25% maior que o normal", disse o empresário.

Normalmente, a A1 Kilt Hire envia semanalmente de 60 a 70 kilts para clientes em Londres. "No último mês passamos a entregar mais de cem apenas para Londres. E isso aconteceu em muitas outras cidades, especialmente na Europa", comemorou. Também cresceu a procura por itens que usam o padrão xadrez escocês, o tartan, e acessórios para uísque. Por 29 libras - pouco mais de R$ 100 - é possível alugar o pacote mais barato: o "Prince Charlie Tradicional" que tem um kilt, camisa branca, sapato, longa meia branca, cinto e outros acessórios. A opção mais cara sai por 42 libras. Em todos os casos, o aluguel é por três dias.

Apesar do sucesso da empresa, Dalrymple estava triste ontem com a derrota do "sim". "Fiquei devastado. Acreditava que era nossa oportunidade para seguirmos nossa vida sozinhos. Não foi desta vez, mas quem sabe ainda vejo meu país independente", disse.

Mais conteúdo sobre:
PlebiscitoEscóciaEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.