Votação sobre EUA na Turquia deve ser adiada, diz Gul

O primeiro-ministro da Turquia, Abdullah Gul, comentou que será difícil convencer o Parlamento de seu país a aprovar a presença de dezenas de milhares de soldados norte-americanos em território turco, se antes as autoridades de Washington e Ancara não chegarem a um acordo sobre o assunto.O Parlamento deveria votar a matéria amanhã. Os Estados Unidos vêm pressionando a Turquia com a alegação de que ?o tempo está se esgotando?. O atraso na votação pode prejudicar os planos de guerra norte-americanos, de abrir uma frente de combate pelo norte do Iraque.Gul esclareceu que as autoridades turcas e norte-americanas ainda precisam solucionar diversas diferenças políticas e econômicas, além das discussões sobre as dimensões do deslocamento militar dos Estados Unidos."Temos a percepção de que será muito difícil convencer o Parlamento antes de um acordo ser alcançado", declarou Gul, nesta segunda-feira.Um dos principais focos da discórdia entre os Estados Unidos e a Turquia é o pacote de ajuda para compensar Ancara por qualquer perda decorrente de uma eventual guerra norte-americana contra o Iraque, disseram diplomatas.Apesar disso, persistem as discordâncias de fundo militar, como qual será a estrutura de comando no caso de uma operação turco-americana pelo norte do Iraque."Vamos voltar a informar os Estados Unidos sobre nossas preocupações", disse Gul, antes de partir para Bruxelas para conversar sobre a crise iraquiana com líderes da União Européia (UE). Gul não deverá retornar a seu país antes da noite de terça-feira.Sua ausência tornará muito improvável a realização de uma reunião de gabinete na noite de hoje, para a aprovação de um projeto de lei sobre a concessão de permissão ao Exército norte-americano e o envio, a tempo, da matéria ao Parlamento, para votação na terça-feira.O ministro das Relações Exteriores, Yasar Yakis, adiantou que não haverá votação até a obtenção de um acordo, informou a agência de notícias Anatolia.Já em Bruxelas, Gul pediu aos membros da UE alguma ajuda financeira, no caso de um conflito ser iniciado. O governo turco teme o fluxo em massa de refugiados iraquianos para a fronteira entre os dois países."Este será um grande problema para a Turquia", disse Gul a Costas Simitis, primeiro-ministro da Grécia, revelou um diplomata grego. A Grécia ocupa atualmente a presidência rotativa da UE. Gul não especificou a quantia necessária para que seu governo trate o problema de forma adequada.A UE vem mantendo contatos constantes com grupos humanitários não-governamentais e com Ancara para traçar planos de contingência, a fim de haver distribuição de ajuda para o caso de um conflito militar com o Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.