Votações são encerradas no Paraguai

Assessor técnico do Tribunal Superior de Justiça Eleitoral do país afirmou que é provável que a participação chegue a 70%

Agência Estado

21 de abril de 2013 | 18h53

As votações para escolha do novo presidente do Paraguai, realizadas neste domingo, foram encerradas às 17 horas (de Brasília), conforme relatam veículos locais de imprensa. De acordo com a agência estatal de notícias IP Paraguay, o assessor técnico do Tribunal Superior de Justiça Eleitoral (TSJE) do país, Luis Salas, afirmou que é muito provável que seja alcançada uma participação de em torno de 70%.

O último dado oficial sobre comparecimento divulgado pelo TSJE foi às 11h30 (horário local), com uma participação de 35% dos eleitores. A IP Paraguay informou ainda que, de acordo com Salas, esse número poderia ser duplicado até o fechamento da votação, já que entre 14 horas e 16 horas (horário local) costuma haver um grande comparecimento de eleitores. "Estaríamos alcançando 68%", disse o assessor, que não descartou que seja atingido o patamar de 70%, superando os 65% obtidos nas eleições de 2008, que elegeram Fernando Lugo como presidente, rompendo uma sequência de mandatos do tradicional Partido Colorado.

Os resultados preliminares das eleições serão divulgados com a apuração de 92% das atas elaboradas em mais de 17 mil postos eleitorais pelo Superior Tribunal de Justiça Eleitoral do país, na noite deste domingo. Os dados definitivos só serão divulgados no final de maio.

Horácio Cartes, do Partido Colorado, ocupa a primeira posição na maioria das pesquisas locais de intenção de votos. Já Efraín Alegre, do Partido Liberal Radical Autentico (PLRA, na sigla em espanhol), aparece em segundo lugar. Outros oito candidatos estão disputando a presidência, mas com poucas chances de vitória, de acordo com as pesquisas.

Além do chefe de Estado, as eleições de hoje vão definir o vice-presidente, 45 senadores, 80 deputados, 18 parlamentares do Mercosul e 17 governadores departamentais para um período de governo de cinco anos. O voto no país é obrigatório e não há segundo turno. Esta é a primeira vez que 20 mil paraguaios que moram nos Estados Unidos, na Espanha e na Argentina foram autorizados a votar. O novo presidente eleito, que substituirá Federico Franco, do PLRA, assumirá o cargo em 15 de agosto. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Paraguaieleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.