Marcio Jose Sanchez/AP
Marcio Jose Sanchez/AP

Voto das mulheres foi decisivo para a vitória de Barack Obama nos EUA

Democrata recebeu o apoio de 55% das eleitoras, que o veem mais preocupado com questões sociais

Reuters

07 de novembro de 2012 | 09h01

WASHINGTON - Na semana final da campanha presidencial dos EUA, uma propaganda estava passando repetidamente no Estado indeciso de Wisconsin. Ela apresentava três mulheres chamadas Connie, Kim, e Anita, que diziam aos telespectadores as razões pelas quais estavam mudando seu apoio do presidente Barack Obama para Mitt Romney.

A campanha republicana esperava que as mulheres em toda o país seguissem o exemplo do trio, mas Obama foi capaz de preservar a sua coalizão de eleitoras e conquistar um segundo mandato na terça-feira.

Entre as mulheres, Obama teve 55% de apoio, contra 43% do republicano, de acordo com a pesquisa Reuters/Ipsos no dia da eleição. Há quatro anos, quando seu adversário era John McCain, o democrata também obteve vantagem no voto feminino, quando a diferença foi de 13%. Nestas eleições, havia 6% mais mulheres que homens votando.

 

As questões sociais foram uma das chaves para o sucesso de Obama. Quase duas vezes mais mulheres do que homens consideram assuntos como aborto e casamento homossexual como a questão mais importante que determinou o seu voto, de acordo com dados de pesquisa.

Desde a convenção dos democratas até o discurso político recorrente de Obama e os comerciais da campanha, a equipe do presidente colocou questões como a igualdade de remuneração e de saúde da mulher no centro de seu argumento para a reeleição.

Eles denunciaram Romney por mudar de posição sobre o aborto e os direitos contraceptivos desde a sua eleição em 2002, como governador de Massachusetts com inclinação democrata, e por não apoiar a legislação endossada por Obama que facilita o caminho das mulheres para entrarem na Justiça por motivos de discriminação salarial no trabalho.

Nas urnas em Maplewood, Nova Jersey, na terça-feira, Rose Rios, uma republicana que por duas vezes votou em George W. Bush, disse que estava votando em Obama porque achava que Romney tinha opiniões sociais extremas. "Os republicanos agora estão muito à direita. Eles não representam as opiniões das mulheres independentes", disse Rose.

Mulheres consideram a saúde entre suas maiores preocupações, de acordo com dados de intenção de votos da Reuters/Ipsos, uma visão compartilhada por Brandi Bettinghouse, enfermeira, de 26 anos, de Reno, Nevada, que disse que havia mudado seu voto para Obama, em parte por causa de seu apoio às políticas de saúde. "Eu não votei nele na última vez, mas eu só olhei para as questões e senti que concordava mais com ele", disse.

A pesquisa Reuters/Ipsos constatou que a economia era a questão mais importante entre as mulheres.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições nos EUAEUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.