Elvis González/EFE
Elvis González/EFE

‘Voto voluntário no Chile significa alta volatilidade do eleitor’, diz pesquisador

Para Aldo Mascareña, sociólogo do Centro de Estudios Publicos, resultado do segundo turno depende de atrair eleitores de Parisi e pessoas que se abstiveram no primeiro turno

Thaís Ferraz / Enviada Especial, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2021 | 05h00

SANTIAGO - Milhares de chilenos irão às urnas neste domingo, 19, eleger o novo presidente do Chile. A disputa entre os candidatos Gabriel Boric, de esquerda, e José Antonio Kast, da ultradireita, deve ser apertada, com pesquisas indicando vitória do esquerdista por uma pequena margem de pontos. Para o pesquisador Aldo Mascareña, sociólogo do Centro de Estudios Publicos, a alta volatilidade dos eleitores, consequência da adoção do voto voluntário no país em 2012, deve ser decisiva na reta final.

“Vários deles não são motivados pela disputa ideológica entre direita e esquerda, mas são motivados a votar pela proximidade de um candidato”, afirma. “São motivados porque ouvem algo que faz sentido para eles em seus ambientes locais, ou porque é alguém novo que atua nas redes sociais e renova promessas.”

Para ele, dois fatores serão determinantes para os candidatos: a inclinação dos eleitores que votaram no economista Franco Parisi, terceiro colocado, e a capacidade de mobilizar aqueles que se abstiveram no primeiro turno. Confira a entrevista completa:

Quando o país mudou seu sistema eleitoral de voto obrigatório e registro voluntário para registro automático e voto voluntário, a demografia dos eleitores também mudou? De que maneiras?

Naturalmente, sim. Isso (a mudança) aconteceu em 2012. Então, mais de 4 milhões de eleitores ingressaram nos cadernos eleitorais, principalmente jovens com menos de 30 anos que nunca haviam votado. A transição para o voto voluntário mudou totalmente a estabilidade do voto desde o retorno à democracia em 1990. Isso refletia mais genuinamente o interesse dos eleitores em cada eleição. Em geral, a participação é baixa, entre 40% e 50%, principalmente nas eleições presidenciais. O voto voluntário significa alta volatilidade do eleitor. Vários deles não são motivados pela disputa ideológica entre direita e esquerda, mas são motivados a votar pela proximidade de um candidato, porque ouvem algo que faz sentido para eles em seus ambientes locais, ou porque é alguém novo que atua nas redes sociais e renova promessas. 

Quem são os eleitores de Parisi e por que, apesar de seu programa ser mais ideologicamente alinhado com Kast, eles parecem estar se voltando para o Boric, de acordo com as últimas pesquisas?

Franco Parisi obteve 13% de preferência nas primárias. Seu voto se concentrou no norte do Chile, na região de Antofagasta, a principal área de mineração do Chile, e também em Concepción, um centro urbano no sul do Chile. Parisi construiu seu eleitorado por aproximadamente 15 anos, principalmente por meio da mídia social. Em 2013 também obteve 13%. Seu discurso dirige-se à classe média em ascensão e critica a elite política mais tradicional.

Esses dois elementos definem o perfil do eleitor. São, em geral, pessoas de setores inferiores, mas também profissionais e técnicos cujas famílias de origem ocupam posições bastante rebaixadas na escala social, mas que com o trabalho e a adaptação e o conhecimento das regras do mercado conseguiram subir.

Em geral, declaram-se sem posição política ou como independentes, sendo, na sua maioria, homens. Enquanto Kast aparecer como um candidato que salvaguarda a ordem do mercado, alguns eleitores de Parisi o apoiarão. No entanto, esses eleitores de Parisi são em sua maioria jovens, com menos de 40 anos. A inclinação de alguns eleitores parisienses para o Boric pode ser explicada por isso. Para os jovens, a crítica à classe política que Parisi representa se aplica mais a Kast do que a Boric. Kast está na política chilena há 30 anos, enquanto Boric apareceu em 2010 e tem apenas 35 anos.

Qual a importância dos eleitores do norte, região que deu bons resultados a Parisi, nesta eleição? Eles podem ser decisivos?

Os eleitores de Parisi somam 900 mil pessoas, das quais cerca de 200 mil estão distribuídas por todo o norte do país. No primeiro turno, a diferença entre Kast e Boric foi de 146 mil votos. Em outras palavras, os eleitores do norte do Chile são importantes. Certamente vale a pena trabalhar por eles. Nas últimas semanas, esse trabalho foi feito melhor pelo Kast do que pelo Boric, mas isso não garante nada. Uma vez que o eleitorado parisiense não se identifica com posições políticas e é antes “classe antipolítica”, é provável que muitos deles não se sintam motivados para votar. Também até certo ponto, o eleitor parisiense é paroquiano, se atrai por Parisi e seu discurso, mas não pela política em geral. 

Portanto, como Parisi não está no segundo turno, não há grande incentivo para votar. Estes não são eleitores politizados. Eles confiam em si próprios muito mais do que naquilo que os políticos podem lhes oferecer. Eles apenas esperam que o Estado faça o seu trabalho reduzindo a incerteza do presente e do futuro: suas principais preocupações são as pensões, o crime e a saúde, como a maioria das pessoas no Chile.

As pesquisas mais recentes indicam que Boric pode se virar e vencer no segundo turno. Se não me engano, é a primeira vez que isso acontece no Chile. Como essa mudança de curso pode ser explicada?

A diferença entre Kast e Boric é mínima, de 146 mil votos (2%). Portanto, não seria uma grande surpresa se Kast ganhasse também. Os cadernos eleitorais mais jovens podem favorecer o Boric, mas o fator decisivo estará na capacidade de ambos os candidatos motivarem eleitores a irem votar. Kast esteve muito bem na primeira volta. O seu discurso centrou-se na ideia de “ordem social”, com a qual captou de forma positiva o desgosto da população com os violentos protestos que se prolongaram a partir da eclosão social, com o aumento da criminalidade e a maior visibilidade do tráfico de drogas na esfera pública. Boric, entretanto, fez uso da retórica da "refundação da sociedade", com a qual certamente captou o descontentamento que grande parte da população tem em relação aos abusos e exclusões que as instituições de mercado, saúde, educação e previdência têm produzido no Chile.

Após o primeiro turno eleitoral, Boric adotou parte do discurso de Kast sobre "ordem social" e teve que mudar o conceito de "refundação" para o de "reforma", com uma orientação mais social-democrata. Além disso, ele teve que abandonar sua retórica esquerdista de "companheiras e companheiros" e passou a falar de "vizinhos" para se mover em direção ao centro. Enquanto Kast foi orientado a oferecer garantias de que ele não recuará no Chile em valores e questões de gênero, manteve sua ênfase na segurança. Em outras palavras, ambos estão trabalhando em seus pontos fracos para motivar mais eleitores a votarem neles.

Com os protestos de 2019, o plebiscito e a polarização entre os dois candidatos, esperava-se uma participação histórica nestas eleições? Como explicar o fato de que isso não aconteceu, pelo menos no primeiro turno?

A maior participação eleitoral no Chile foi no plebiscito de 2020 sobre a criação de uma nova Constituição. Atingiu 7,5 milhões de pessoas. Seria um sucesso se chegássemos lá no segundo turno. Mas, ao invés de esperar por um resultado histórico, o que se deve esperar é que a votação seja a mais alta possível para dar legitimidade às instituições políticas democráticas. O calendário eleitoral chileno foi fortemente sobrecarregado por adiamentos em anos anteriores como resultado da Covid. Além disso, a comunicação política tem sido intensa nos últimos tempos, tanto devido à concentração das eleições quanto ao trabalho da Convenção Constitucional. Por outro lado, a polarização é inevitável nos sistemas presidencialistas.

Nesse caso, é aumentado porque os resultados, dependendo de quem vence, podem ser tomados como uma confirmação ou rejeição do que significou para o Chile 18 de outubro de 2019, dia do início do surto social, e também serão uma prévia da avaliação do trabalho da Convenção Constitucional. Também é provável que, se Kast vencer, a Convenção, que é em grande parte de esquerda, será motivada a encurtar o mandato presidencial de 4 para 2 anos para que o novo sistema político possa entrar em vigor mais cedo. Em outras palavras, a eleição presidencial tem várias ramificações. Isso certamente pode aumentar o número de pessoas que votarão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.