Cris Bouroncle/ AFP
Cris Bouroncle/ AFP

Votos de candidato preso foram decisivos na disputa

Gregorio Santos passou toda a campanha eleitoral na cadeia e, ainda assim, conseguiu 4% do eleitorado

Rodrigo Cavalheiro ENVIADO ESPECIAL / LIMA, O Estado de S. Paulo

13 Abril 2016 | 05h00

O candidato à presidência peruana Gregorio Santos obteve 4% dos votos na votação de domingo, um desempenho expressivo dadas as suas “limitações de locomoção”. Governador de Cajamarca, Departamento (Estado) no norte do Peru, Santos passou toda a campanha preso. Só foi liberado por 10 horas para o debate presidencial que antecedeu a disputa e voltou para a prisão. 

O candidato detento foi eleito líder local em 2011 e reeleito em 2014, quando já estava sob regime de prisão preventiva. Seu mandato vai até 2018. Santos foi o mais votado candidato à presidência em seu departamento, por 40% do eleitorado, cerca de 600 mil votos. Ficou em sexto lugar no cômputo geral. 

O partido do candidato, o Democracia Direta (DD), mobiliza em todo o território peruano ações contra grandes projetos de mineração, um dos temas centrais da campanha eleitoral. Santos é acusado de corrupção pela participação em um esquema que fraudava licitações para favorecer uma empresa. 

O governador apresentou-se como o único candidato realmente anticapitalista na disputa pela presidência peruana. O representante do DD na disputa chegou a trabalhar com Verónika Mendoza, esquerdista de viés mais moderado que teve bom desempenho, mas não conseguiu alcançar o segundo turno. Segundo apuração da manhã de ontem, com base em 95,3% dos votos, Keiko Fujimori liderava com 39,7%. 

Mais conteúdo sobre:
Peru eleições no Peru Keiko Fujimori

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.