REUTERS/Fanny Potkin
REUTERS/Fanny Potkin

'Vou atirar em suas caras', homens fardados ameaçam manifestantes em Mianmar pelo TikTok

Rede social tem proliferação de conteúdos que incitam a violência e disseminam a desinformação; alguns vídeos foram vistos milhares de vezes

Reuters, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2021 | 14h00

CINGAPURA - Soldados e policiais de Mianmar estão usando o aplicativo TikTok para fazer ameaças de morte aos manifestantes que saem às ruas contra o golpe militar do mês passado. O aplicativo chinês anunciou que vai remover todo conteúdo que incite violência.

O grupo de direitos digitiais Mianmar ICT para o Desenvolvimento (MIDO) afirmou ter encontrado mais de 800 vídeos pró-militares ameaçando manifestantes num momento em que a repressão policial aumenta - só na quarta-feira 38 manifestantes foram mortos, segundo a ONU.

"Essa é só a ponta do iceberg", afirmou Htaike Htaike Aung, diretor-executivo da MIDO. Segundo ele, há "centenas" de vídeos de pessoas usando o uniforme do Exército e da polícia com ameaças. Alguns dos vídeos foram vistos milhares de vezes e usam hashtags relacionadas a artistas dos EUA para chamar a atenção dos usuários.

Nenhum porta-voz do Exército ou da polícia de Mianmar respondeu aos pedidos de comentário da reportagem. 

'Vou atirar nas suas caras'

Um dos vídeos checados pela Reuters em fevereiro mostra um homem fardado segurando o rifle e olhando para a câmera dizendo: 'vou atirar nas suas caras de m****....e estou usando munição real". "Vou patrulhar toda a cidade essa noite e atirar em qualquer um que aparecer....se você quer se tornar um mártir, vou realizar seu desejo".

A agência Reuters não conseguiu contatar o homem do vídeo ou qualquer outro fardado que aparece em vídeosdo TikTok. Também não foi possível verificar se eles de fato pertencem ao Exército. 

O TikTok é a mais recente rede social a ter a proliferação de conteúdo de ódio e violência, além de desinformações, em Mianmar. O Facebook baniu todas as páginas ligadas ao Exército de Mianmar - em seguida a rede social foi banida do país.

Em um comunicado, o TikTok afirmou que "não permite conteúdos que incitem a violência ou disseminem a desinformação que cause o mal". "Sobre Mianmar, já removemos e vamos continuar removendo todo conteúdo que incite a violência ou a desinformação".

Atualmente, o TikTok está na lista dos 20 aplicativos mais baixados em Mianmar. Segundo as regras da rede social, é proibido exibir armas "exceto em ambientes seguros". De acordo com o Linkedin, o TikTok está contratando para a vaga de gerente de produto e política em Mianmar. 

Usado pelos ativistas

O TikTok também tem sido muito usado por jovens ativistas, com a hashtag de protesto #SaveMyanmar (#SalveMianmar) chegando a 805 milhões de visualizações. 

O golpe militar em Mianmar depôs o governo civil de Aung San Suu Kyi, que está detida desde então.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.