AP Photo/Carlos F. Gutierrez
AP Photo/Carlos F. Gutierrez

Vulcão Calbuco, no sul do Chile, entra em nova erupção

Autoridades mantém alerta vermelho na região em razão do alto potencial destrutivo do vulcão; 4 mil pessoas foram retiradas de cidades próximas

O Estado de S. Paulo

23 de abril de 2015 | 09h20

PUERTO VARAS, CHILE - O vulcão chileno Calbuco, situado a 1.000 quilômetros ao sul da capital Santiago, voltou a entrar em erupção nesta quinta-feira, 23, pela segunda vez em poucas horas, mantendo o alerta vermelho decretado na região pelas autoridades do país.

A nova erupção ocorreu por volta de 1h (horário de Brasília), informaram o Serviço Nacional de Geologia e Mineração (Sernageomin) e o Observatório Vulcanológico dos Andes do Sul (OVDAS), que recomendaram a manutenção da área de restrição de 10 quilômetros.


"As autoridades chilenas continuam atentas e informarão sobre qualquer mudança apresentada na atividade do vulcão", indicaram os dois órgãos em comunicado divulgado na internet.

A inesperada erupção do Calbuco, 43 anos depois da última atividade registrada, representa uma "alta ameaça para a população", motivo pelo qual as autoridades decretaram alerta vermelho nas localidades de Puerto Varas e Puerto Montt.

Mais de 4 mil pessoas já foram retiradas das cidades de Ensenada, Alerce, Colonia Río Sur e Correntoso, na região dos Lagos, informou o Ministério do Interior, apesar de mais de 60 mil habitantes viverem na região afetada pela erupção do vulcão.

Além disso, a presidente do Chile, Michelle Bachelet, decretou estado de exceção por catástrofe na província de Llanquihue e no município de Puerto Octay

Esta decisão permite às Forças Armadas e de ordem se desdobrarem em terreno e tomarem o controle da situação, além de colaborar nos trabalhos de retirada das pessoas que habitam uma área de 20 quilômetros ao redor do maciço montanhoso, considerada como "zona de exclusão imediata".

O subsecretariado do Interior chileno determinou um toque de recolher entre às 0h45 locais de quarta-feira e às 10h30 desta quinta (horário de Brasília) nas localidades de Puerto Montt, Puerto Varas e Puerto Octay para evitar roubos nas centenas de casas e lojas que ficaram vazias após a evacuação.

As autoridades regiões também suspenderam as aulas por tempo indeterminado. Além disso, foi instalado um alerta sanitário pouco depois da primeira erupção, que aconteceu por volta das 18h de quarta. 

Uma hora depois de o vulcão ter entrado em atividade, o ministro do Interior, Rodrigo Peñailillo, convocou uma reunião urgente do Comitê Operacional de Emergência em Santiago. Peñailillo pediu à população que se mantenha informada e siga as instruções do Escritório Nacional de Emergência, assim como dos militares e policiais envolvidos nas operações em terreno.

O vulcão Calbuco fica a 2.015 metros acima do nível do mar e está a 30 quilômetros de importantes regiões de cidades como Ensenada, Puerto Varas e Puerto Montt. Embora não entrasse em erupção desde 1972, os geólogos consideram o Cabulco perigoso devido a seu potencial destrutivo. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
VulcãoCalbucoChile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.