Cortesía do Parque Nacional Galápagos
Cortesía do Parque Nacional Galápagos

Vulcão La Cumbre entra em erupção no arquipélago de Galápagos

Ilha Fernandina, onde fica o vulcão, não é habitada e possui espécies de animais que só são encontradas lá

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2020 | 00h36

O vulcão La Cumbre, localizado na ilha Fernandina, a oeste do arquipélago equatoriano de Galápagos, iniciou nova atividade eruptiva na noite de domingo, informou o Parque Nacional de Galápagos.

 

Em um comunicado, o Parque acrescentou que a atividade começou por volta das 18h15, horário local, 20h15, no horário de Brasília, de acordo com o relatório enviado pelos guardas do parque que realizam trabalhos de controle na área do Canal Bolívar e funcionários das embarcações de turismo que realiza atividades perto do local. 

As primeiras imagens enviadas registram uma fissura radial ao longo da extremidade sudeste do vulcão, com fluxos de lava descendo em direção às costas. O Summit é um vulcão do tipo escudo, com 1.476 metros de altura, cuja última erupção ocorreu em 17 de junho de 2018. 

Na tarde de domingo, o Instituto Geofísico da Escola Politécnica Nacional alertou sobre o aumento da atividade sísmica do vulcão, fato comum antes de uma erupção, para que a autoridade ambiental ficasse alerta, diz o Parque Nacional de Galápagos no comunicado. 

Fernandina é uma das ilhas mais jovens do arquipélago. Seu valor ecológico é muito alto porque seus ecossistemas abrigam espécies únicas, como iguanas terrestres e marinhas, cobras, ratos endêmicos, o cormorão-das-galápagosou ou pinguins. Segundo o Parque Nacional de Galápagos, a Ilha Fernandina não tem população humana. 

A Diretoria do Parque Nacional de Galápagos monitorará o processo eruptivo e registrará as mudanças que ocorrem no ecossistema após a erupção de La Cumbre. 

Em seu perfil no Twitter, o Instituto Geofísico da Escola Politécnica Nacional registrou pelo menos dois terremotos neste domingo na Ilha Fernandina, o mais forte deles, de magnitude 4,65, ocorrido às 16h42, horário local e quatro horas depois, outra de magnitude 3. 

As Ilhas Galápagos, a jóia da coroa do Equador para o turismo, foram declaradas em 1978 como Patrimônio Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O arquipélago, localizado a cerca de mil quilômetros da costa continental equatoriana, é considerado um laboratório natural que permitiu ao cientista inglês Charles Darwin desenvolver sua teoria sobre a evolução. /EFE

 

Tudo o que sabemos sobre:
Ilhas Galápagos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.